Segurança

Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A leitura sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar. Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para passarem a ser mais assertivos com relação ao tratamento, ao estilo de vida, a compreensão de seu próprio corpo. Fazendo com que, o gerenciamento dos sintomas não se torne algo ainda mais difícil.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real, é uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades, dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro dedicam-se ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida de todos os pacientes fibromiálgicos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria, aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a doença é "na cabeça", e não "da cabeça". Isto porque esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativada, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo disparando zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potenciais de dor, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão, pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, qual o que melhor se adapta a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixa que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho e determinação.
Seja bem vindo ao nosso universo, complexo, diferente, invisível... mas é preciso lembrar que o Fibromiálgico não é invisível, e seus sintomas também são reais.
Respeite o fibromiálgico!
Nem tudo que você não vê, você desacredita...
Com a fibromialgia não é diferente.
Ela é uma das síndromes ou doenças invisíveis.
Nenhum paciente escolhe ser fibromiálgico.
Carinho, respeito, apoio, entendimento e harmonia ajudam e muito... depende da sociedade, dos familiares, dos amigos, e dos órgãos governamentais que insistem em desmerecer e desrespeitar o paciente.
Não seja você mais um nesta lista.
Agradecemos sua atenção.
Boa Leitura!

TRADUTOR

ABRAFIBRO NO YOUTUBE

Loading...

domingo, 31 de agosto de 2014

FIBROMIÁLGICOS DA BAIXADA SANTISTA E LITORAL SUL DE SÃO PAULO - UNISANTA oferece oportunidade!

" Quem tem dor, tem pressa"





É com grande prazer que convidamos a todas as mulheres com Fibromialgia a este evento
"Primeiro Encontro de sobre Fibromialgia da Unisanta"

O Evento será no dia 27 de Setembro, na Universidade Santa Cecília ( Endereço : Rua Cesário Mota, Bloco M ,Clínica de Fisioterapia )
Início: 14:00 , término 16:00 hrs.
A entrada consiste em 1 kg de alimento não perecível no qual doaremos a instiuição de Caridade.

EVENTO ABERTO APENAS PARA A POPULAÇÃO/PACIENTES. 
Pedimos a todos os fisios, conhecidos, seguidores da página, que nos ajudem a divulgar e a convidar este público para o evento!
Temos como objetivo principal informar e instruir mulheres sobre a Fibromialgia e a Importância da prática da atividade física no quadro de dor!

O evento será constituído de 3 palestras explicativas ,sendo elas: 
1- O que é a fibromialgia, sinais e sintomas. 
2- Avaliação de depressão na fibromialgia, 
3- A importância da Atividade Física na síndrome. 
Todas as palestras terão em média 20 minutos de duração.

Em seguida faremos uma Prática de Alongamentos. Alongamentos simples e fáceis que trazem grandes resultados ao corpo.
Inscrições através da página (mensagem-inbox)



A gente aprova essa iniciativa




sexta-feira, 29 de agosto de 2014

SANTIAGO (ESPANHA) VALIDA UM TESTE PARA DIAGNOSTICAR A FIBROMIALGIA

Participam especialistas em psicologia e neurologia da USC eo CHUS

20 de agosto de 2014  05:00
Da esquerda para a direita, Trinanes, Carrillo e González Arias, os autores do estudo. ESTRELA ALONSO

O tratamento da fibromialgia, uma dor musculoesquelética crônica que provoca mau e grande cansaço, entre outros sintomas, será mais fácil neste verão graças a um estudo realizado por especialistas de Santiago(Espanha). Maria Teresa Carrillo, professora de Psicologia Faculdade USC com Trinanes Yolanda González e Alberto Villar, pesquisadores deste centro; e Manuel Arias, um neurologista e docente no complexo hospitalar de Medicina, validaram em castelhano, a chamada mais recente para diagnosticar o problema de saúde, o FSQ (Síndrome de Sensibilidade Química), o Colégio Americano de Reumatologia, 2010 Este trabalho também colaborou Susana Romero-Yuste , reumatologista do Complexo Hospitalar de Pontevedra; e Fred Wolfe, da Universidade de Kansas e representante daquela associação profissional nos Estados Unidos.
Na adaptação para o Inglês do castelhano também incluiu especialistas em tradução. O resultado foi publicado recentemente na revista Rheumatology Internacional .
Teresa Carrillo, que há anos se dedica a pesquisar esta doença, explica que esta nova escala "simplifica os critérios para o diagnóstico de fibromialgia. Houve um teste anterior, 1990, o que proporcionou 18 pontos do corpo em que a pessoa com fibromialgia têm dor manifesta mais de três meses, em pelo menos onze deles, com um certo número de condições. Os novos critérios eliminam a avaliação dos tender points e tenta facilitar o diagnóstico na atenção primária, que é onde você deve tratar a fibromialgia. Simplifica o diagnóstico, que é mais fácil ", diz ele.
Teste
As novas prova pergunta aos pacientes se nos últimos sete dias tem notado problemas leves, moderados ou graves como cansaço / fadiga; atenção, de concentração ou de memória; ou se você ao acordarem pela manhã se sentem cansadas.
Também interessado se você se sentiu sintomas de dor abdominal ou cólicas; depressão; ou dor de cabeça na semana passada.
A terceira seção, também nos últimos sete dias, solicitado para indicar se você teve (ou não) dor ou desconforto nos ombros, quadris, braços, pernas, mandíbula, tórax, abdômen, costas ou no pescoço. E finalmente interrogado para ver se, juntos, esses sintomas estão presentes por pelo menos três meses.
"Com base nas respostas, a pontuação é dada e o diagnóstico é feito. Em nosso trabalho, procuramos também avaliar em que medida houve um acordo entre as duas escalas, o que foi muito alto ", diz Teresa Carrillo.
"Com a escala de 1990, 20% das pessoas não cumpriam os critérios exigidos para determinar quem teve problemas com fibromialgia; validado com agora quase 94% atendidos. Isso é porque ele é um critério mais sensível e menos restritivo ", acrescenta.
Outros sintomas
1990 critérios "100% de indivíduos saudáveis ​​foram utilizados como controle não preenchia os critérios para fibromialgia;enquanto que as exigências da nova escala de um pequeno grupo de 3,4% dos indivíduos saudáveis ​​cumprir os critérios para a fibromialgia ", diz ele. E cerca de 40% das pessoas diagnosticadas expresso outros sintomas não aparecem incluídos no teste.
Com esta nova dor de escala ", sintomas físicos, estado emocional e qualidade de vida são avaliados, e os resultados também mostram o desenvolvimento da fibromialgia. Porque este não é apenas ruim dor: assumiu ainda pior qualidade de sono e de vida, cansaço ou falta de energia ", acrescenta o especialista.
"Este mal não é apenas a dor: assumi ainda pior qualidade de sono e de vida, fadiga ou falta de vitalidade"
Maria Teresa Carrillo

Fonte: http://www.lavozdegalicia.es/noticia/santiago/2014/08/20/validan-santiago-prueba-diagnosticar-fibromialgia/0003_201408S20C5991.htm

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

21 exercícios de neuróbica que deixam o cérebro afiado


Evitar fazer tudo no automático ajuda a turbinar a memória e a concentração

POR NATALIA DO VALE - ATUALIZADO EM 13/06/2014
Quem foi que disse que o cérebro não precisa de exercícios para se manter ativo? Se o nosso corpo necessita de malhação para ficar sempre em ordem e cheio de disposição, por que com a mente seria diferente?

O cérebro também vai perdendo sua capacidade produtiva ao longo dos anos e, se não for treinado com exercícios, pode falhar. O neurocientista norte-americano, Larry Katz, autor do livro Mantenha seu Cérebro Vivo, criou o que é chamado de neuróbica, ou seja, uma ginástica específica para o cérebro.

A teoria de Katz é baseada no argumento de que, tal como o corpo, para se desenvolver de forma equilibrada e plena, a mente também precisa ser treinada, estimulada e desenvolvida. É comum não prestamos atenção naquilo que fazemos de forma mecânica, por isso costumamos esquecer das ações que executamos pouco tempo depois.

"O objetivo da neuróbica é estimular os cinco sentidos por meio de exercícios, fazendo com que você preste mais atenção nas suas ações e então, melhore seu poder de concentração e a sua memória", explica a psicóloga especialista em análise comportamental e cognitiva, Mariuza Pregnolato. "Não se trata de acrescentar novas atividades à sua rotina, mas de fazer de forma diferente o que é realizado diariamente".

Para o neurologista da Unifesp Ivan Okamoto, tais exercícios ajudam a desenvolver habilidades motoras e mentais que não costumamos ter em nosso dia a dia, porém, tais habilidades em nada se relacionam com a memória.

"Se você é destro e começa a escrever com a mão esquerda, desenvolverá sua coordenação motora de modo a conseguir escrever com as duas mãos e caso um dia, tenha algum problema que limite a escrita com a mão direita, terá a esquerda bem capacitada para isso. Mas o fato de praticar este tipo de exercício não significa que você se verá livre de problemas como esquecer de pagar as contas, tomar o remédio, ou algo do gênero", explica o especialista.
  • Pensamentos - Foto: Getty Images
  • Ouvindo o som do mar - Foto: Getty Images
  • Revivendo a memória - Foto: Getty Images
  • Escovando os dentes - Foto: Getty Images
  • Memorizando - Foto: Getty Images
  • Consultando o dicionário - Foto: Getty Images
  • Corrida - Foto: Getty Images
 
 
DE 7
Pensamentos - Foto: Getty Images

Como funciona a neuróbica?

A neuróbica consiste na inversão da ordem de alguns movimentos comuns em nosso dia a dia, alterando nossa forma de percepção, sem, contudo, ter que modificar nossa rotina. O objetivo é executar de forma consciente as ações que levam à reações emocionais e cerebrais. São exercícios que vão desde ler ao contrário até conversar com o vizinho que nunca dá bom dia, mas que mexem com aspectos físicos, emocionais e mentais do nosso corpo. "São esses hábitos que ajudam a estimular a produção de nutrientes no cérebro desenvolvendo suas células e deixando-o mais saudável", explica Mariuza Pregnolato, psicóloga especialista em análise comportamental e cognitiva.

Quanto mais o cérebro é treinado, mais afiado ele ficará, mas para isso não precisa se matar nos testes de QI ou nas palavras cruzadas para ter resultados satisfatórios. "Estas atividades funcionam, mas a neuróbica é ainda mais simples. Em vez de se inscrever em um super desafio de matemática e ficar decorando fórmulas, que tal vestir-se de olhos fechados ou andar de trás para frente?", sugere a especialista. A proposta da neuróbica é mudar o comportamento rotineiro para "forçar" a memória. Por isso, é recomendável virar fotos de cabeça para baixo para concentrar a atenção ou usar um novo caminho para ir ao trabalho. 
Ouvindo o som do mar - Foto: Getty Images

O papel dos sentidos

O programa de exercícios da neuróbica oferece ao cérebro experiências fora da rotina, usando várias combinações de seus sentidos - visão, olfato, tato, paladar e audição, além dos "sentidos" de cunho emocional e social.

"Os exercícios usam os cinco sentidos para estimular a tendência natural do cérebro de formar associações entre diferentes tipos de informações, assim, quando você veste uma roupa no escuro, coloca seus sentidos em sinal de alerta para a nova situação. Se a visão foi dificultada, e é isso que faz com que você sinta o efeito dos exercícios, outros sentidos serão aguçados como compensação", explica Mariuza.

Para estimular o paladar, uma dica bacana é fazer combinações gastronômicas inusitadas. Já pensou em misturar doce com salgado? Maionese com leite condensado? 
Revivendo a memória - Foto: Getty Images

Corpinho de 40 e mente de 20!

A neuróbica não vai lhe devolver o cérebro dos vinte anos, mas pode ajudá-lo a acessar o seu arquivo de memórias. "Não dá para aumentar nossa capacidade cerebral, o que acontece é que com os exercícios você consegue ativar áreas do seu cérebro que deixou de usar por falta de treino", explica Mariuza.

"Você só estimula o cérebro se o exercita, por isso quem sempre esteve atento a esta questão terá menos problemas de saúde cerebral, como demência e doenças cognitivas, como Alzheimer", considera a especialista.  
Escovando os dentes - Foto: Getty Images

9 exercícios de quebra de rotina

Mudar a rotina ajuda a nos tirar dos padrões de pensamento de sempre, que nos levam ao piloto automático. Experimente:

1- Use o relógio de pulso no braço direito

2- Ande pela casa de trás para frente

3- Vista-se de olhos fechados

4- Veja as horas num espelho

5- Troque o mouse do computador de lado

6- Escove os dentes utilizando as duas mãos

7- Quando for trabalhar, utilize um percurso diferente do habitual

8- Introduza pequenas mudanças nos seus hábitos cotidianos, transformando-os em desafios para o seu cérebro

9- Faça alguma atividade diferente com seu outro lado do corpo e estimule o seu cérebro. Se você é destro, que tal escrever com a outra mão?
Memorizando - Foto: Getty Images

3 exercícios de memorização

Treinar a memória também ajuda a desenvolver a mente. Tente esses exercícios:

1- Ao entrar numa sala onde esteja muita gente, tente determinar quantas pessoas estão do lado esquerdo e do lado direito. Identifique os objetos que decoram a sala, feche os olhos e enumere-os

2- Experimente memorizar aquilo que precisa comprar no supermercado, em vez de elaborar uma lista. Utilize técnicas de memorização ou separe mentalmente o tipo de produtos que precisa. Desde que funcionem, todos os métodos são válidos

3- Ouça as notícias na rádio ou na televisão quando acordar. Durante o dia escreva os pontos principais de que se lembrar
Consultando o dicionário - Foto: Getty Images

9 exercícios com palavras e habilidades cognitivas

Aprimorar novas habilidades sempre ajuda a exercitar o cérebro. Experimente essas dicas:

1- Estimule o paladar, coma comidas diferentes

2- Leia ou veja fotos de cabeça para baixo concentrando-se em pormenores nos quais nunca tinha reparado

3- Folheie uma revista e procure uma fotografia que lhe chame a atenção. Agora pense 25 adjetivos que ache que a descrevem a imagem ou o tema fotografado

4- Quando for a um restaurante, tente identificar os ingredientes que compõem o prato que escolheu e concentre-se nos sabores mais subtis. No final, tire a prova dos nove junto ao garçom ou chef

5- Selecione uma frase de um livro e tente formar uma frase diferente utilizando as mesmas palavras

6- Experimente jogar qualquer jogo ou praticar qualquer atividade que nunca tenha tentado antes

7- Compre um quebra cabeças e tente encaixar as peças corretas o mais rapidamente que conseguir, cronometrando o tempo. Repita a operação e veja se progrediu

8- Recorrendo a um dicionário, aprenda uma palavra nova todos os dias e tente introduzi-la (adequadamente!) nas conversas que tiver

9 - Ao ler uma palavra pense em outras cinco que começam com a mesma letra 

Corrida - Foto: Getty ImagesHábitos saudáveis 
Outra atitude indispensável para manter a memória sempre afiada, é prestar atenção na qualidade de vida. O neurologista Ivan Okamoto sugere um estilo de vida mais tranquilo, com alimentação balanceada, sem vícios e com a prática regular de exercícios físicos para manter o corpo e a mente saudáveis.

"A melhor maneira de manter a memória em dia é cuidar da saúde, por isso é importante evitar cigarro e bebidas alcoólicas, seguir uma dieta equilibrada, praticar exercícios e exercitar o cérebro. Manter a atividade mental, seja trabalhando ou participando de alguma atividade em grupo, ajuda a elevar a autoestima e deixar a memória a todo vapor", explica o especialista. 

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

TRATAR DA DOR DA FIBROMIALGIA

Fibromialgia: Exercício, um passo por vez!


Avaliado por David T. Derrer, MD

Quando Lynne Matallana foi diagnosticada com fibromialgia, ela passou a maior parte de seu tempo na cama. Em seguida, o médico sugeriu que ela fizesse algum exercício.
"Eu sabia que teria que começar muito devagar, então comecei a exercitar, enquanto eu ainda estava na cama", diz Matallana, presidente e fundadora da Associação Nacional de Fibromialgia (*EUA). "Eu fazia alguns alongamentos durante cerca de meia hora e depois descansava um pouco."
Aos poucos, ela foi trabalhar até a pé até a caixa de correio e voltou, e em seguida, a um exercício mais constante em uma esteira. Hoje, ela credita que o exercício como a reprodução de um grande papel na melhoria da sua dor da fibromialgia.
Este plano passo-a-passo pode começar em seu próprio programa de exercícios para a fibromialgia.

Fibromialgia Exercício Passo 1: Saber que ele pode ajudar

"O exercício é um dos tratamentos mais eficazes para a fibromialgia", diz Daniel Clauw, MD, professor de anestesiologia e medicina na Universidade de Michigan. "Isso beneficia todos os sintomas da fibromialgia, incluindo a dor, fadiga e problemas de sono."
Exercício pode ajudar a manter a massa óssea, melhorar o equilíbrio, reduzir o estresse e aumentar a força.Fazendo com regularidade,  o exercício também pode ajudar a controlar o peso, o que é importante para reduzir a dor da fibromialgia.
"Movendo seu corpo pode ser a última coisa que você sinta vontade de fazer, mas você tem que acreditar que isso realmente ajuda", diz Matallana. "É difícil no começo, mas vai  ficando mais fácil."

Fibromialgia Exercício Passo 2: Comece devagar

Se você está acostumado a correr maratonas ou  você nunca se exercitou, a chave é começar com algo pequeno e aumentar gradualmente o seu nível de atividade. Como Matallana, muitas das pessoas com fibromialgia precisam começar muito lentamente.
Clauw às vezes diz aos pacientes para pensarem que o exercício é como tomar um medicamento, que começa com uma dose baixa e aumenta ao longo do tempo. Por exemplo, você pode começar a andar apenas cinco minutos por dia durante uma semana e, em seguida, adicionar um minuto a cada semana até que você esteja até 20 a 30 minutos por dia. "Pode demorar 15 semanas para chegar a esse ponto, mas isso é normal", diz Clauw.
"Para as pessoas que não estão acostumadas a se exercitar, vamos nos concentrar em levá-los a ser mais ativo e nem sequer chamá-lo de exercício", acrescenta. "Em vez disso, nós falamos com eles sobre ser mais ativo, como caminhar um pouco mais ou subir um lance de escadas."
Movendo seu corpo em tudo pode ser difícil no início, mas se você continuar, você deve observar que a atividade fica mais fácil.
Um estudo de 2010 publicado no Arthritis Research & Therapy constatou que as atividades diárias normais, como subir escadas, jardinagem, ou fazer as tarefas, pode ajudar a reduzir a dor e melhorar o funcionamento diário para pessoas com fibromialgia. "Este estudo nos mostra que cada bit de atividade é benéfica no combate a dor da fibromialgia", diz Clauw. "Não precisa ser um programa formal de exercícios."

Fibromialgia Exercício Passo 3: Ouça o seu corpo

Se você fosse muito ativa antes fibromialgia, você pode precisar reaprender uma abordagem diferente para exercitar agora. Muitas pessoas tentam fazer muito em pouco tempo, e depois se sentem frustrados quando os sintomas voltam.
"Para aqueles que estavam acostumados a ser atlético, muitas vezes precisamos ensiná-los a ouvir o seu corpo e aprender a levá-lo de forma mais lenta do que eles podem ser usados", diz Kim D. Jones, PhD, professor associado da Oregon Health e Escola de Ciências da Universidade de Enfermagem em Portland.
Eventualmente, você vai aprender o nível de exercício que é bom para você e quanto é demais.

Fibromialgia Exercício Passo 4: Faça algo todos os dias

"Para obter o maior benefício do exercício, você realmente precisa fazê-lo em uma base diária ou quase diariamente", diz Clauw. "Então, para muitas pessoas, as melhores opções podem ser a pé ou usando o equipamento de exercício, uma vez que estas são atividades que são facilmente acessíveis a maioria dos dias do ano."
Exercício em uma piscina quente é outra boa maneira de começar a ser ativo. A água quente tem um efeito calmante sobre os músculos e articulações e pode tornar o exercício menos doloroso. Mas mesmo se você começar em uma piscina, ainda é uma boa ideia trabalhar em prol de um treino em terra.
"Eu não sou um grande fã do uso continuado de exercícios na água quente, porque a maioria das pessoas não têm acesso a uma piscina aquecida todo dia", diz Clauw.
Ciclismo, corrida, yoga, treinamento de força e de baixo impacto, aulas de ginástica são apenas algumas outras maneiras de fazer exercício físico e ajudar a aliviar os sintomas da fibromialgia.
"A coisa mais importante é encontrar algum tipo de exercício que você goste", diz Matallana. "Dê um passeio, visitar o seu vizinho, passear com o cachorro. Se você pode encontrar um amigo ou membro da família para exercitar com você, que pode ser útil também. "

Fibromialgia Exercício Passo 5: Modifique o seu treino

Se você está andando ou participa de uma aula de ginástica, essas dicas de exercícios podem ajudar a prevenir lesões ou dor:
  • Exercite no momento do dia em que você se sentir melhor. Para muitas pessoas com fibromialgia, este é dez horas - três horas. Mas seu melhor momento pode ser diferente.
  • Alongar. Isto pode ajudar a aquecer os músculos e minimizar a dor após o exercício. Você pode alongar enquanto está deitado, em pé ou sentado em uma cadeira. Algumas pessoas podem achar que é útil alongar em um banho ou ducha quente.
  • Faça pequenos passos. Ao andar, tente não balançar os braços muito ou dar grandes passos. Caminhada no plano, mesmo em superfícies que reduzam o seu risco de queda.
  • Facilidade para o treinamento de força. Para exercícios de fortalecimento, considere o uso de elásticos em vez de pesos e começar com um único conjunto de repetições.
  • Mesmo ritmo. Ao fazer alongamentos ou exercícios de fortalecimento, lados alternados frequentemente e fazer um breve descanso entre as repetições.
  • Faça pausas. Mais uma vez, ouça o seu corpo. "Quando eu estava começando, eu descansva depois de apenas alguns minutos de exercício", diz Matallana. "Não tenha medo de ir tão lentamente quanto você precisa."
  • Mime-se depois. Quando você terminar de se exercitar, tomar um banho quente.

Fibromialgia Exercício Passo 6: Seja paciente

Embora o exercício possa melhorar os sintomas da fibromialgia, os efeitos não são sempre imediatos. "O exercício é realmente o melhor tratamento a longo prazo para a dor e fadiga da fibromialgia", diz Jones. "Mas isso pode levar até seis meses antes de você notar uma mudança em seus sintomas."
"Você definitivamente precisa ser paciente e trabalhar lentamente", diz Matallana. "Pode parecer que está demorando uma eternidade para alcançar seus objetivos. Mas, como você aumenta gradualmente o seu movimento, você vai se sentir melhor e notar uma diminuição nos seus sintomas. Na minha experiência, o exercício é o No. 1 para você começar a sua jornada de bem-estar. "

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

A PSICOLOGIA NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA

UMA BOA RESVISTA! A PSICOLOGIA NA FIBROMIALGIA. 


Qual é o papel desse profissional no tratamento da Fibromialgia.

Isso significa que minha dor é psicológica? O que sinto é tudo da minha cabeça? ... Vamos descobrir... LENDO!

Aceite que a apresentação seja em toda tela do seu computador. 

Para voltar ao normal é só apertar a tecla "Esc" no seu teclado.

Para aumentar o tamanho da página... click duas vezes sobre ela. 

Com o mouse movimente a página para o centro de sua tela. Na lateral você verá uma seta. Click para virar a página. 

Simples assim! É possível ver pelo celular também.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

DEPRESSÃO NÃO TRATADA




Se não for tratada a depressão clínica é um problema sério. A depressão não tratada aumenta a chance de comportamentos de risco, como drogas ou álcool. Ele também pode arruinar relacionamentos, causar problemas no trabalho, e tornar difícil a superação de doenças graves.
A depressão clínica, também conhecido como depressão maior , é uma doença que envolve o corpo, humor e pensamentos. A depressão clínica afeta a maneira de comer e dormir . Ela afeta a maneira como você se sente sobre si mesmo e aqueles ao seu redor. Ele ainda afeta seus pensamentos.
As pessoas que estão deprimidas não podem simplesmente "se acalmar" e ser curado. Sem tratamento adequado, incluindo antidepressivos e / ou psicoterapia, depressão clínica não tratada pode durar semanas, meses ou anos. O tratamento adequado, entretanto, pode ajudar a maioria das pessoas com depressão.

Como é que a depressão clínica não tratada afetar a saúde física?

Há evidências crescentes de que a depressão clínica tem o maior impacto sobre a saúde física. Os estudos mais recentes que exploram a saúde e a depressão maior observaram pacientes com acidente vascular cerebral ou doença arterial coronariana. Os resultados mostraram que as pessoas com depressão que estão se recuperando de acidentes vasculares cerebrais ou ataques cardíacos têm um tempo mais difícil para fazer escolhas de cuidados da saúde. Eles também acham que é mais difícil de seguir as instruções do seu médico e lidar com os seus desafios presentes na doença. Outro estudo descobriu que pacientes com depressão maior têm um maior risco de morte nos primeiros meses após um ataque cardíaco.



Como é que o sono interrompido por depressão não tratada?

Um dos sintomas mais significativos de depressão clínica é uma mudança nos padrões de sono. Embora o problema mais comum é a insônia (dificuldade dormir o suficiente), as pessoas sentem, por vezes, uma maior necessidade de sono e experiência excessiva perda de energia. Falta de sono pode causar alguns dos mesmos sintomas como depressão - cansaço extremo, perda de energia e dificuldade de concentração ou de tomar decisões.
Além disso, a depressão não tratada pode resultar em ganho de peso ou perda, sentimentos de desesperança e impotência, e irritabilidade. Tratar a depressão ajuda a pessoa a obter controle sobre todos estes sintomas de depressão.


Quais são os sinais comuns de insônia com depressão não tratada?

Os sinais mais comuns de insônia incluem:
  • Fadiga diurna
  • Irritabilidade e dificuldade de concentração
  • O sono que nunca se sente como "suficiente"
  • Dificuldade em adormecer
  • O problema de voltar a dormir depois de acordar durante a noite
  • Acordar em todas as horas da noite
  • Acordar antes do despertador tocar

Quais são os sinais de abuso de drogas e álcool com depressão não tratada?

Álcool e drogas são comuns entre as pessoas com depressão clínica. Eles são especialmente comuns entre os adolescentes e entre os jovens e de meia-idade do sexo masculino. É muito importante incentivar essas pessoas a pedir ajuda, porque eles são mais propensos a tentar o suicídio.
Sinais de drogas e abuso de álcool incluem:
  • A incapacidade de manter relações pessoais
  • Uso de álcool secretamente
  • Pena de si mesmo
  • Tremores
  • Perda de memória inexplicável
  • Falta de vontade de falar sobre drogas ou álcool
Aqueles que sofrem de depressão e abuso de drogas ou álcool podem necessitar de tratamento muito especializado.

São os sinais de depressão não tratada em homens são diferentes nas mulheres?

Homens que têm depressão clínica não tratada podem apresentar mais raiva, frustração e comportamento violento do que as mulheres. Além disso, os homens com depressão não tratada pode levar riscos perigosos, tais como a condução imprudente e ter sexo inseguro. Os homens não estão cientes de que os sintomas físicos, como dores de cabeça , distúrbios digestivos e  dor crônica, podem ser sintomas de depressão.

Por que a depressão não tratada é considerada uma deficiência?

A depressão pode tornar difícil  a vida profissional das pessoas, a vida familiar e a vida social. Depressão clínica não tratada é tão cara quanto as doenças cardíacas ou a AIDS, para a economia dos EUA. A depressão não tratada é responsável por mais de 200 milhões de dias perdidos de trabalho a cada ano. O custo anual da depressão não tratada é mais do que 43.700 milhões dólares em absenteísmo(faltas ao trabalho) no trabalho, perda de produtividade e custos de tratamento diretos.

Como é que a depressão não tratada afeta a minha família?

Viver com uma pessoa deprimida é muito difícil e estressante para os familiares e amigos. Muitas vezes é útil ter um membro da família envolvido na avaliação e tratamento de um parente deprimido. Às vezes, a terapia de família ou mesmo conjugal é indicada.


Pode a depressão não tratada pode levar ao suicídio?

Depressão não tratada acarreta um elevado risco de suicídio. Este é o pior resultado, mas muito real de depressão não tratado ou sub-tratada. Qualquer um que expressa pensamentos ou intenções suicidas deve ser levado muito, muito a sério. Não hesite em chamar sua ajuda imediatamente.
(* no Brasil contamos com o CVV - Centro de Valorização da Vida - www.cvv.org.br  no site você encontrará diversas formas de contato: internet, e-mail, telefone. Uma das mais antigas e maiores entidades sem fins lucrativos e com atuação essencialmente voluntária, o CVV fez história nesses 51 anos de existência e quer continuar a ajudar as pessoas e fazer a diferença nas próximas décadas. Além disso, os municípios brasileiros contam com o CAPS - Centro de Atendimento Psicosocial, que atende pelo SUS.)
A maioria das pessoas que sofrem de depressão clínica não tentam o suicídio. Mas de acordo com o Instituto Nacional de Saúde Mental, mais de 90% das pessoas que morrem de suicídio têm depressão e outros transtornos mentais, ou um transtorno de abuso de substâncias ilegais. Os homens cometem quase 75% dos suicídios, apesar de o dobro das mulheres tentar.
Há experiência com idosos com depressão e suicídio do que você imagina. Quarenta por cento de todas as vítimas de suicídio são adultos com mais de 60 anos de idade. Adultos mais velhos sofrem mais frequentemente de depressão, por causa da perda frequente de entes queridos e amigos a medida que envelhecem. Eles também têm doenças mais crônicas, mais grandes mudanças na vida, como a aposentadoria, e a transição para vida assistida ou cuidados de enfermagem.


Existem alguns fatores de risco para o suicídio com depressão não tratada?

Os fatores de risco para o suicídio associado à depressão não tratada incluem:
  • A história familiar de distúrbio mental ou abuso de substância
  • A história familiar de abuso físico ou sexual
  • Depois de ter tentado suicídio anteriormente
  • Ter membros da família ou amigos que já tentaram suicídio
  • Tendo transtornos de abuso de substâncias e mentais
  • Manter uma arma de fogo em casa
Se você ou alguém que você conhece tem fatores de risco para o suicídio, e também tem mostrado sinais de alerta, procure ajuda de um profissional de saúde mental imediatamente(*psiquiatra e/ou psicólogo). Além disso, não deixe a pessoa sozinha. Muitas vezes as pessoas falam sobre o suicídio antes que tentar fazê-lo, então preste muita atenção ao que a pessoa está dizendo.

Quais são os sinais de aviso de suicídio com depressão não tratada?

Os sinais de aviso de suicídio incluem:
  • Falar, escrever, pensar em se matar, se ferir ou ameaçar fazê-lo
  • Depressão (tristeza profunda, perda de interesse, problemas para dormir e comer) que pioram
  • Ter um "desejo de morte"; destino tentador, assumindo riscos que podem levar à morte - por exemplo, cruzar o farol vermelho
  • Perder o interesse em coisas que costumava se preocupar 
  • Fazer comentários sobre estar sem esperança, impotente, ou inúteis
  • Colocando assuntos em ordem, amarrar as pontas soltas, ou alterar uma vontade
  • Dizendo coisas como "que seria melhor se eu não estivesse aqui" ou "eu quero sair"
  • A mudança repentina de ser muito triste para ser muito calmo ou aparecendo estar feliz
  • De repente, visitar ou chamar as pessoas com as quais se preocupa
  • Falar sobre suicídio
  • Aumento do consumo de álcool ou drogas
  • Escrevendo uma nota suicida
  • Assistindo assassinato bem divulgado e / ou relatórios de suicídio na mídia
  • Buscas on-line sobre as formas de cometer suicídio
  • Buscando métodos para matar a si mesmo, tais como a obtenção de uma arma ou comprimidos

Quem pode ser tratado com sucesso para a depressão clínica?

Mais de 80% das pessoas com depressão clínica podem ser tratadas com sucesso, com reconhecimento precoce, intervenção e apoio.
A depressão afeta quase 19 milhões de pessoas a cada ano, incluindo uma grande parte da população ativa (*informação referente aos Estados Unidos). Pessoas com depressão não tratada geralmente podem começar a trabalhar. Mas uma vez lá, eles podem ser irritáveis, cansados, e terem dificuldades de concentração. A depressão não tratada torna difícil aos funcionários um bom trabalho.
A maioria das pessoas fazem melhor o tratamento da depressão com psicoterapia, medicamentos, ou uma combinação de ambos.

As informações aqui constantes não substituem a consulta médica e/ou avaliação psicológica.