Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se extender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

Seja bem vindo ao nosso universo, complexo, diferente, invisível... mas é preciso lembrar que o Fibromiálgico não é invisível, e seus sintomas são reais.
Respeite o fibromiálgico!
Nem tudo que você não vê, você desacredita...
Com a fibromialgia não é diferente.
Ela é uma das síndromes ou doenças invisíveis.
Nenhum paciente escolhe ser fibromiálgico.
Carinho, respeito, apoio, entendimento, ações e benefícios governamentais e harmonia ajudam e muito... depende da sociedade, dos familiares, dos amigos.
Os órgãos governamentais que insistem em desmerecer e desrespeitar o paciente, e para mudar este quadro é que JUNTOS estamos lutando. Faça sua parte também.
Não seja você apenas mais um nesta lista. Você pode fazer a diferença. #JuntosSomosMaisFortes
Agradecemos sua atenção.
Boa Leitura!

Sandra Santos -
Diretora Geral e Fundadora
ABRAFIBRO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS

TRADUTOR

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

SOBRE O LYRICA... ALGUNS CUIDADOS !!! IMPORTANTE SABER!!

LYRICA


LYRICA is not for everyone. LYRICA may cause serious allergic reactions. Tell your doctor right away about any serious allergic reaction such as swelling of the face, mouth, lips, gums, tongue or neck or if you have any trouble breathing. Other allergic reactions may include rash, hives and blisters. Tell your doctor about any changes in your eyesight, including blurry vision, muscle pain along with a fever or tired feeling. If you have diabetes tell your doctor about any skin sores.

Some of the most common side effects of LYRICA are dizziness, sleepiness, weight gain, blurred vision, dry mouth, feeling "high", swelling of hands and feet, and trouble concentrating. You may have a higher chance for swelling and hives if you are also taking angiotensin converting enzyme (ACE) inhibitors so you should let your doctor know if you are taking these medications. You may have a higher chance of swelling or gaining weight if you are also taking certain diabetes medicines.

You should not drive or operate machinery until you know how LYRICA affects you. Do not drink alcohol while on LYRICA. If you take medicines that make you sleepy you may feel more sleepy when you start LYRICA. Also tell your doctor if you are planning to father a child. Tell your doctor if you are pregnant, plan to become pregnant, or are breast-feeding. If you have had a drug or alcohol problem, you may be more likely to misuse LYRICA.

In mice, an increase in a specific type of blood vessel tumor was observed but no evidence of the same effect was seen in studies with rats. The clinical significance of this finding is unknown. During clinical studies in humans, none of the same tumor types were observed, although some new or worsening-preexisting tumors were reported (57 patients out of 6396 patient-years). It is not possible to know whether this is or is not related to LYRICA treatment. Talk with your doctor before you stop taking LYRICA or any other prescription medication. LYRICA is one of several treatment options for you and your doctor to consider.



TRADUÇÃO


LYRICA não é para todos. LYRICA pode causar reações alérgicas graves. Informe o seu médico imediatamente sobre qualquer reação alérgica grave, tais como inchaço da face, boca, lábios, gengivas, língua ou garganta, ou se você tiver alguma dificuldade para respirar. Outras reações alérgicas podem incluir erupções cutâneas, urticária e vesículas. Informe o seu médico sobre quaisquer alterações na sua visão, incluindo visão embaçada, dores musculares, juntamente com uma febre ou sentindo cansado. Se você tem diabetes informe o seu médico sobre qualquer úlceras cutâneas.

Alguns dos efeitos secundários mais comuns do LYRICA são tontura, sonolência, ganho de peso, visão turva, boca seca, sentir-se "alto", inchaço das mãos e pés, e dificuldade para concentrar. Você pode ter uma maior oportunidade para a expansão e colmeias se você está tendo também enzima conversora angiotensina (ECA), para que você deve deixar seu médico saber se está a tomar estes medicamentos. Você pode ter uma maior chance de ganhar peso, inchaço ou se estiver a tomar certos medicamentos para diabetes.

Você não deve conduzir ou operar máquinas até saber como LYRICA afecta. Não beba álcool enquanto ontário LYRICA. Se tomar medicamentos que você pode fazer você se sentir mais sonolenta sonolento quando começar LYRICA. Também diga ao seu médico se estiver a planear o pai de uma criança. Informe o seu médico se estiver grávida, a planear engravidar, ou estiver a amamentar. Se você teve um problema drogas ou álcool, pode ser mais provável a utilização abusiva LYRICA.

1Em ratos, um aumento de um tipo específico de vaso sanguíneo tumor foi observada, mas sem evidência de o mesmo efeito foi observado em estudos com ratos. O significado clínico deste achado é desconhecida. Durante os estudos clínicos em seres humanos, nenhum dos mesmos tipos de tumor foram observados, apesar de alguns novos ou piora-preexistente tumores foram relatados (57 doentes em cada 6.396 doentes-ano). Não é possível saber se esta está ou não relacionada com LYRICA tratamento. Converse com seu médico antes de parar de tomar LYRICA ou qualquer outra medicação por prescrição. LYRICA é uma de várias opções de tratamento para você e seu médico a considerar.



Fonte: www.lyrica.com (em inglês)

Tradução: tradutor google


Como sempre dissemos:

"O que bom para uns, pode não ser bom para outros"

Já é possível a importação deste medicamento, a um preço extremamente elevado... diga-se de passagem.

Porém podemos exigir do governo federal a compra dele. É um direito nosso, e um dever ele. Uma ação na justiça de um grupo grande como o nosso, que realmente resolve aparecer em público para reivindicar, acho difícil de demorar a decisão final do judiciário.

Mas uma ação individual, essa sim... vão anos e mais anos...

O direito é para todos! Claro, todos aqueles que podem e tem a prescrição desta medicação. E é obvio que não são poucos!

Vamos pensar rapidinho nesta idéia? Não dá pra demorar muito...

Advogado nós já temos. Ficaremos com as custas das taxas e custas do processo. Nosso amigo, abriu mão de seus honorários. Não é uma senhora ajuda?

Só reclamar, se deprimir, chorar, perder a motivação, não vai adiantar.

Use essa luta como a motivação.

Eu não gostaria que um ente querido tenha que passar pelo que estamos passando.

Penso em deixar um legado muito melhor para eles. E você?

Bom, agora deixo com vocês!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

10 passos para conviver com a dor

A dor crónica é um problema sério mas é tornada frequentemente pior pela má informação, atitudes e opiniões negativas, ideias ultrapassadas e emoções negativas. Reconhecemos que a dor crónica é frequentemente mal gerida, não porque faltem tratamentos adequados mas por causa do medo e da ignorância. Estes passos foram criados para o/a ajudar a lidar mentalmente com a dor crónica da melhor maneira possível.

1 – Assegure-se que compreende que espécie de problema a dor realmente é.
A dor crónica é diferente dos outros problemas médicos, que podem frequentemente ser tratados de modo relativamente fácil e com sucesso. A dor crónica é uma doença complexa, causada e mantida por uma combinação de factores físicos, psicológicos e neurológicos.
Estas causas múltiplas tornam difícil localizar uma causa específica da dor, ou determinar qualquer tratamento. A dor é também frequentemente desacreditada ou mal tratada por causa da bagagem de ideias antiquadas sobre a dor - para o exemplo, a dor cuja causa física é desconhecida é muita vez deficientemente tratada. Isto apesar do facto que o papel dos factores neurológicos signifiquem que a dor pode ocorrer na ausência de causas externas e que tal dor não deve ser ignorada ou considerada anormal.
A instituição médica tem-se esforçado para enfrentar o desafio da dor, e reconhece agora que este problema não pode ser superado sem combinar o contributo de outras disciplinas tais como a psicologia e fisioterapias. A dor é também uma experiência subjetiva que é impossível medir exactamente. A dor envolve uma gama de reações emocionais incluindo ansiedade, medo e depressão.

2 - Aceitação
A dor crónica é tão terrível que às vezes é mais fácil pretender escapar desejando que nunca tenha acontecido, ou em esperar uma cura milagrosa. Embora persistentes, estas reações comuns à dor podem realmente tornar-se numa armadilha. Você necessita enfrentar a realidade de o que aconteceu, e achar maneiras construtivas de tratar dela.
A aceitação significa mais do que apenas intelectualmente saber que você tem a dor, significa na realidade permitir a si própria que sinta a ansiedade, o medo, a raiva e o desgosto que vêm com a dor. A aceitação é um processo que requer progressivamente admitir e reconhecer todos os seus sentimentos, admitir as suas necessidades de ordem física e emocional.
De modo a aceitar e superar as emoções negativas associadas com a dor crónica, você tem que ter segurança e apoio adequados. Segurança significa que tem o controle adequado sobre a sua dor com a combinação correcta de contibutos de tratamento médicos, físicos e psicológicos. Apoio significa que tem o apoio emocional adequado da família e dos amigos, o que lhe dá um sentimento de contenção e segurança.
O produto final da aceitação é dor reduzida, paz interna, menos ansiedade e maior capacidade de lidar com a dor.

3 – Assuma o controlo
Depois de muitos meses ou mesmo anos de dor e de tratamentos falhados, é fácil deslizar em sentir-se desesperada e que nada pode ser feito. Quem sofre de dor é frequentemente vítima de tratamento negativo e é fácil acabar sentindo-se irritada e vitimizada. Existe frequentemente alguma justificação para se sentir assim.
Talvez você não tenha causado a dor, e talvez você não esteja feliz com alguns aspectos do seu tratamento, mas imagine - a vida não é justa. Culpar outros pelos seus problemas, por justificado que seja, transforma-a numa vítima e é como entregar o controlo da sua vida. Você está permitindo a si mesma deixar-se conduzir pelas suas emoções, mas você na realidade tem escolha. Tome o caminho fácil (que não é realmente assim fácil) e simplesmente culpe os outros, ou tome o controlo e obtenha informação, comunique assertivamente com o seu médico, praticando estratégias de gestão da dor tais como exercício regular, regulação do ritmo e relaxamento e gestão de stress.
Você precisa decidir se quer ser uma vítima ou uma sobrevivente, um passageiro ou um condutor. Sua dor é problema seu só, de mais ninguém. Você tem direitos e mesmo responsabilidades como utente de saúde e paciente. Por a dor crónica ser difícil de detectar ou medir, você necessita ser uma participante informada, activa no seu tratamento.
Não tenha medo de fazer perguntas, não tenha medo de dizer ao médico o que pensa e o que quer, não tenha medo de pedir alívio da dor mais forte.

4 – Tenha uma boa relação de trabalho com o seu médico
Um relacionamento aberto e confiante com o seu médico é essencial. Significa poder dizer ao seu médico como se sente, fazer perguntas e sentir-se escutada e compreendida.
O relacionamento do médico-paciente deve ser em dois sentidos. Embora você confie na opinião profissional do seu médico para o tratamento, ele depende de si para obter informação exacta em que baseie as suas decisões. É sua responsabilidade descrever os seus sintomas tão exactamente quanto possível e relatar a respeito dos resultados do tratamento, mesmo se desfaroráveis.
A insuficiente queixa da dor é uma das maiores causas da má gestão da dor. O relacionamento médico-paciente pode ser minado por má comunicação, ignorância, arrogância e medo. Por exemplo, muitas pessoas têm na verdade receio de dizer ao seu médico como se sentem por medo de ser etiquetado como fracas ou queixinhas. Outros pacientes relatam para minimizar a severidade de sua dor porque não querem que o seu médico sinta que falhou!
Devem sentir que pode falar ao seu médico, que ele escuta e a respeita, e que fica satisfeita que ele está a trabalhar competente e completamente no seu interesse. Você tem também o direito a mudar de médico se estiver descontente.

5 – Nunca ignore a dor
No tratamento da dor crónica tornou-se moda recomendar ignorar a dor (depois de as investigações médicas estarem completas) na opinião que é apenas dor e não há nada fisicamente mal.
Esta aproximação representa uma viragem de 180º da velha noção de prescrever descanso acamado, a favor de manter a actividade. A ideia é que a inactividade conduz apenas à depressão e de qualquer modo não ajuda o problema.
Contudo, com determinados tipos de dor, isto pode conduzir a um ciclo de agravamento, privação de sono, exaustão, dor e sofrimento aumentados, particularmente se é alguém que tipicamente ignora a dor (ignorar a dor é naturalmente, o que causa a maioria de lesões de tensão repetitiva). O outro problema de ignorar a dor é que todas as vezes que a dor ocorre, ela deixa uma impressão permanente no seu sistema nervoso, um tipo de “memória da dor”. Estas experiências repetitivas de dor conduzem à super-estimulação do sistema nervoso e da geração de sinais espontâneos da dor, conduzindo a um ciclo de stress e dor. Há assim boas razões para querer evitar a dor, mas mais uma vez, a inactividade total não é resposta. A melhor aproximação é de equilíbrio e com níveis de actividade regulados e evitar o agravamento da dor indevido.

6 – Ter uma aproximação equilibrada da actividade física
Pode se tentador adoptar uma aproximação de “não fazer nada”, na esperança que você possa evitar dor adicional. Como nós indicámos, como a dor crónica é causada em parte por mudanças neurológicas, evitar a actividade não parará a dor. Evitar a actividade conduz também ao enfraquecimento muscular e a um acumular de sub-produtos nos tecidos, que podem realmente exacerbar a dor.
Noutras alturas, pode sentir-se frustrada e forçar-se a terminar tarefas relativamente exigentes (por exemplo aparar a relva) que sabe que lhe irão doer mais tarde. Isto pode fazer com que você tenha que levar dois dias de descanso na cama para recuperar. Esta aproximação “tudo ou nada” é disparatada e ineficaz a longo prazo.
Precisa regular os seus níveis de actividade. Você pode fazer isto sozinha, por experiência, ou com um pouco ajuda externa na forma de ajuda profissional. O apoio e orientação de um profissional de saúde compreensivo são muito desejáveis para manter a motivação e tratar dos medos e obstáculos ao longo do caminho.

7 – Durma!
A perda de sono causada pela dor inadequadamente controlada pode conduzir a um ciclo de fadiga, depressão e irritabilidade. A incapacidade de dormir, ou acordar sentindo-se cansada, são sinais que a sua dor não está a ser controlada correctamente.
Desenvolver um padrão de sono reparador é essencial para lidar com a dor crónica. Melhorar o seu sono dar-lhe-á mais energia e ajudá-la-á a sentir-se mais capaz de defrontar os problemas.
Há muitas coisas que você pode fazer para começar a dormir melhor incluindo relaxar, talvez tomando um banho quente, escutar música ou passar uma cassette de relaxamento antes de ir dormir; auto-hipnose; um bom colchão; postura; medicação; e geralmente uma boa gestão do stress.

8 – Assegure-se que obtém apoio adequado
Muitas doentes de dor crónica tornam-se isolados, alienados de pessoas amadas, colegas de trabalho e sociedade. O apoio social ou emocional inadequados podem conduzir ao isolamento, à depressão, e ao risco aumentado de suicídio. Pessoas que normalmente se orgulham de si rpóprias em ser independentes e não necessitar dos outros estão particularmente em risco.
Infelizmente, as reações negativas dos outros podem desanimar os sofredores crónicos de falar sobre os seus problemas ou procurar ajuda. As reacções não-apoiantes de pessoas em que você pensava que podia confiar podem ser muito decepcionantes, é outra coisa que cai no saco da “vida não ser justa”.
A realidade é que está fora de questão esperar poder lidar sozinha com uma doença crónica que lhe rouba a capacidade de amar, brincar e trabalhar. Ter o apoio emocional adequado aumenta extremamente a sua capacidade de resistir.
Falar com a família e amigos próximos é vital. Uma conversa da família com o seu médico ou psicólogo pode também ajudar permitindo aos outros aprender mais sobre o seu estado e falar sobre as coisas num ambiente neutro.

9 – Não espere que as pessoas que não têm dor compreendam como é.
É frustrante irritante quando os outros parecem não compreender. Entretanto, como os pacientes de dor crónica não têm frequentemente nenhuma lesão visível, é fácil para a família e amigos, em especial as crianças, esquecer-se de que há qualquer coisa mal. Podem também “esquecer-se” porque é difícil para eles ter que viver com o conhecimento que uma pessoa amada está em dor.
Assim não espere que as pessoas que não têm dor compreendam como é e esteja preparada para ter que lembrar aos outros as suas limitações. Das crianças em especial não se pode esperar que compreendão as implicações de uma condição como a dor crónica. É uma lição que terá que ser repetida muitas vezes.

10 – Perdoar a si próprio
A perda de capacidades de trabalho, amor e prazer causadas pela dor crónica pode criar sentimentos de culpa e fracasso. Torne-se ciente de suas próprias expectativas, e de todos os sentimentos de vergonha ou culpa e examine-os criticamente. O mais provável é você não ter pedido para ter dores.
Os sentimentos reprimidos de vergonha conduzem ao ressentimento e emergem mais tarde como raiva. Sentir-se culpada pode ser também uma forma subtil de auto-inulgência - quando se mete em auto-culpar-se, você está na realidade a nadar em pena de si própria..
Perdoar e deixar partir a culpa será mais fácil se você escolher uma aproximação proactiva e adoptar estes 10 Passos.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

NADA ACONTECE POR ACASO... SÓ TEMOS A AGRADECER A DEUS!!!




Muitas vezes acontecem momentos que não podemos explicar.

Tive acontecimentos que foram penosos, difíceis. Não conseguia explicá-los.

Meu pai, um homem cuja comunicação era complicada, truncada... difícil mesmo, entrou nos 45 minutos dos segundo tempo para me ajudar.

Resolveu encontrar um amigo, um advogado especialista em direito previdenciário que pudesse me ajudar nas questões mais difíceis. E ele encontrou.

Nos reunimos. E ele já montou nova estratégia para solucionar as questões. Mas o poder judiciário no Brasil é uma caixinha de surpresas. Boas intenções muita gente tem, mas eles dão de cara com a porteira fechada quando chega no judiciário.

Mas... de tudo isso, conheci esse novo advogado, o Dr. João Carlos da Silva...que durante nossa conversa... falei sobre nosso trabalho na ABRAFIBRO, ele não pensou duas vezes... abraçou a nossa causa.

Então pessoal, dúvidas previdenciárias (INSS)... escrevam para o email do Dr. João Carlos:

profjoaocarlos@gmail.com

Seja objetiva nas perguntas, MUITO OBJETIVA!!!
Lembre-se de que ter a documentação para comprovação do que você solicita é muito importante.

Dr. João Carlos é Pós Graduado em Direito Trabalhista e Previdenciário, Público, Penal, Civil, e é Professor de Pós Graduação também.

Ele irá nos ajudar a regularizar a ABRAFIBRO também, que é nosso grande sonho.

Além de outras questões, que em breve eu poderei aqui escrever.

Nada acontece por acaso... para tudo existe um grande motivo.

Nisso eu acredito.

Obrigada Senhor! Continue a abençoar a todos aqueles que nos ajudam a continuar esse trabalho árduo e difícil, de maneira destacada, ou por detrás das cortinas... não importa... são nossos fiéis colaboradores.
Sem eles nada seria possível.

Mais um ano de luta que estamos iniciando, e já iniciando com tantos ganhos.

Obrigada Senhor!

Queremos continuar a plantar amor, caridade e humildade.

Os frutos? O Senhor é quem nos dá!

sábado, 7 de fevereiro de 2009

COMO ADQUIRIR LYRICA - NOVO MEDICAMENTO PARA FIBROMIALGIA E O CUSTO DO TRATAMENTO










Depois de muita espera, enfim chegou um novo medicamento para a Síndrome da Fibromialgia, uma doença ainda pouco

retrato da dor, do sofrimento, da incapacidade física

da impotência, da FIBROMIALGIA...

conhecida e divulgada, com poucos locais e médicos especializados para o tratamento, discriminada e, a cada dia que passa, parece ser uma doença progressiva, devastadora, que tem roubado a qualidade de vida da maioria dos portadores, onde as dores e sintomas da doença são extremamente insuportáveis, equivalente às dores oncológicas.
A ABRAFIBRO – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS, continua a receber muitos depoimentos bem tristes e deprimentes, como também inúmeras reclamações em relação ao tratamento por parte dos peritos do INSS, os quais continuam tratando os pacientes fibromialgicos com falta de respeito, ignorando a falta de condições físicas, emocionais e psicológicas que
impedem os pacientes de exercerem suas atividades laborais, sendo que muitos têm recebido alta, acabam entrando com recursos, ficando sem trabalhar, portanto sem receber o salário benefício, e consequentemente ficando também sem condições de adquirirem os medicamentos necessários.
O custo da Fibromialgia é alto, desde que a doença não seja tratada imediatamente, pois quanto mais demorar o diagnóstico, maior será a quantidade de medicamentos para amenizar as dores e os sintomas e também o tratamento multidisciplinar, como a fisioterapia, psicoterapia e outras necessidades.
A esperança entre os portadores da fibromialgia com a chegada desse novo medicamento é grande, todos estão a esperar para experimentar essa nova droga, confiando que a pregabalina poderá amenizar o sofrimento dessa doença tão mal compreendida, apesar de já existir a tanto tempo.


http://reinehr.org/en/medicina/novo-medicamento/pregabalina-lyrica-a-fibromialgia-agora-tem-remedio-2
“A Fibromialgia, enfermidade que causa fadiga crônica, dores musculares difusas e rigidez, finalmente conta com um tratamento eficaz. A pregabalina, de nome comercial Lyrica, produzida pelo laboratório Pfizer, foi aprovada pelo Food and Drug Administrator nos Estados Unidos no meio de 2007 e trata-se da melhor opção existente na atualidade para o tratamento dos sintomas da Fibromialgia.
Sabidamente, a Fibromialgia é uma doença incapacitante que até o momento não possui cura ou tratamento definitivo. A pregabalina conseguiu demonstrar em um estudo (Pregabalin improves pain associated with fibromyalgia syndrome in a multicenter, randomized, placebo-controlled monotherapy trial. Crofford, L. et al. Arthritis and Rheumatism 2002, 46 (supplement 9) S613)a redução em mais de 50% da dor em 29% dos pacientes que a utilizaram em monoterapia (ou seja, sem uso concomitante de outras medicações), comparado a apenas 13% dos pacientes que utilizaram placebo.
Se olharmos o número absoluto (29%), podemos ver que somente um terço dos pacientes que tomaram a medicação tiveram benefícios, mas é importante salientar que o tratamento da Fibromialgia não é feito somente com uma medicação. É necessário que os pacientes mantenham-se em um programa de reabilitação física, com acompanhamento psicológico ou psiquiátrico além de outras medicações para a dor.
Além do tratamento da Fibromialgia, o Lyrica também pode ser utilizado para o tratamento de dor neuropática periférica, como aquela que acontece em diabéticos ou secundária ao herpes zoster e da dor neuropática central, como aquela sentida por pacientes com lesão da medula espinhal. Ainda é passível de ser utilizado em pessoas com crises convulsivas parciais como complemento ao tratamento anti-epilético já em uso, quando este não está sendo eficaz. Ainda, é útil nos casos de ansiedade generalizada, já que trata-se também de um bom estabilizador do humor.
É importante ressaltar que é uma medicação de uso controlado e só pode ser obtida após consulta e prescrição médica. Dúvidas sobre o tratamento, a dose atual para utilizar e outras dúvidas devem ser tiradas com o seu médico no momento da consulta
”http://reinehr.org/en/medicina/novo-medicamento/pregabalina-lyrica-a-fibromialgia-agora-tem-remedio-2
Costumam dizer que:
“ A fibromialgia não é incapacitante. O paciente fibromiálgico não é um incapaz e não deve ser rotulado desta maneira. Há importante limitação da função e qualidade de vida nos pacientes não tratados, mas não há incapacidade ou deformidade. A pregabalina é, realmente, muito boa para a fibromialgia. No entanto, não é a melhor droga. Já existe outra droga aprovada pelo FDA para a doença e disponível no Brasil. Mas o melhor tratamento para a fibromialgia ainda é a abordagem multidisciplinar, procurando adaptar, a cada paciente, o melhor tratamento.”

COMO ADQUIRIR O MEDICAMENTO LYRICA (PREGABALINA)


A pregabalina já está no Brasil !!! E pode ser comprada direto com o fabricante.

LABORATÓRIOS PFIZER LTDA.
Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 1555
CEP 07112-070 – Guarulhos – SP
CNPJ nº 46.070.868/0001-69
Fale Pfizer             0800-7701575      
www.pfizer.com.br

O laboratório Pfizer possui uma política de benefício para quem comprar direto com eles. 
Ligue, responda a um pequeno questionário via fone mesmo, e na hora já lhe dizem qual foi a porcentagem de desconto que irão lhe conceder durante um ano. É essencial estar com a receita médica em mãos quando ligar.
O medicamento será comprado na farmácia que a atendente lhe indicar.
Pronto!
O desconto é muito bom, vale a pena!