Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se extender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

Seja bem vindo ao nosso universo, complexo, diferente, invisível... mas é preciso lembrar que o Fibromiálgico não é invisível, e seus sintomas são reais.
Respeite o fibromiálgico!
Nem tudo que você não vê, você desacredita...
Com a fibromialgia não é diferente.
Ela é uma das síndromes ou doenças invisíveis.
Nenhum paciente escolhe ser fibromiálgico.
Carinho, respeito, apoio, entendimento, ações e benefícios governamentais e harmonia ajudam e muito... depende da sociedade, dos familiares, dos amigos.
Os órgãos governamentais que insistem em desmerecer e desrespeitar o paciente, e para mudar este quadro é que JUNTOS estamos lutando. Faça sua parte também.
Não seja você apenas mais um nesta lista. Você pode fazer a diferença. #JuntosSomosMaisFortes
Agradecemos sua atenção.
Boa Leitura!

Sandra Santos -
Diretora Geral e Fundadora
ABRAFIBRO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS

TRADUTOR

sábado, 27 de dezembro de 2014

SÍNDROME DA FADIGA CRÔNICA

SÍNDROME DA FADIGA CRÔNICA

Drauzio Varella
fadiga1_destaque1– Ando muito cansado, doutor. De manhã, para levantar da cama é o maior sacrifício. Mal chego no trabalho, já quero voltar para casa.
Cansaço é uma das cinco queixas mais frequentes dos que procuram os clínicos gerais. Nessas ocasiões, cabe ao médico encontrar uma causa que justifique a falta de disposição.
As mais comuns costumam ser:

* Doenças cardiovasculares (insuficiência cardíaca, arritmias, etc.);
* Doenças autoimunes (lúpus, polimiosite, etc.);
* Doenças pulmonares (enfisema, quadros infecciosos, etc.);
* Doenças endócrinas (hipotireoidismo, diabetes, etc.);
* Doenças musculares e neurológicas;
* Apneia do sono e narcolepsia;
* Abuso de álcool e outras drogas;
* Obesidade;
* Depressão e outros distúrbios psiquiátricos;
* Infecções;
* Tumores malignos.
A experiência mostra que contingente expressivo de pessoas que se queixam de cansaço, não se enquadra em nenhum desses diagnósticos. A tendência dos médicos nesses casos é atribuir a queixa às atribulações da vida moderna: noites mal-dormidas, alimentação inadequada, falta de atividade física, problemas psicológicos ou mera falta de vontade de trabalhar.
Alguns desses pacientes, no entanto, sentem-se muito mal, excessivamente cansados, incapazes de concentrar-se no trabalho e executar as tarefas diárias. Inconformados, fazem via sacra pelos consultórios atrás de um médico que leve a sério seus problemas, lhes ofereça uma esperança de melhora ou, pelo menos, uma explicação para o mal que os aflige.
São os portadores da síndrome da fadiga crônica, diagnosticada mais frequentemente em mulheres do que em homens.
Na maioria das vezes, a doença se instala insidiosamente depois de um episódio de  resfriado, gripe, sinusite ou outro processo infeccioso. Por razões desconhecidas, entretanto, a infecção vai embora, mas deixa em seu rasto sintomas de indisposição, fadiga e fraqueza muscular que melhoram, todavia retornam periodicamente, em ciclos, durante meses ou anos.
Como diferenciar esse estado de fadiga crônica, daqueles associados às solicitações da vida urbana?
Não há exames de laboratório específicos para identificar a fadiga crônica. De acordo com o International Chronic Fatique Syndrome Study Group, o critério para estabelecer o diagnóstico é o seguinte: considera-se portadora da síndrome toda pessoa com fadiga persistente, inexplicável por outras causas, que apresentar no mínimo quatro dos sintomas citados abaixo, por um período de pelo menos seis meses:
* Dor de garganta;
* Gânglios inflamados e dolorosos;
* Dores musculares;
* Dor em múltiplas articulações, sem sinais inflamatórios (vermelhidão e inchaço);
* Cefaleia com características diferentes das anteriores;
* Comprometimento substancial da memória recente ou da
concentração;
* Sono que não repousa;
* Fraqueza intensa que persiste por mais de 24 horas depois da atividade física.
Alguns estudos sugerem que predisposição genética, doenças infecciosas prévias, faixa etária, estresse e fatores ambientais tenham influência na história natural da enfermidade. Condições como hipoglicemia, anemia, pressão arterial baixa ou viroses misteriosas também são lembradas, mas a verdade é que as causas da síndrome da fadiga crônica são desconhecidas.
A evolução da doença é imprevisível. Às vezes, desaparece em pouco mais de seis meses, mas pode durar anos ou persistir pelo resto da vida.
A ignorância em relação às causas da síndrome, explica a  inexistência de tratamentos específicos para seus portadores. Os sintomas são passíveis de tratamentos paliativos, entretanto anti-inflamatórios são recomendados para as dores musculares ou articulares; drogas antidepressivas podem melhorar a qualidade do sono.
Mudanças de estilo de vida podem ser úteis. Os especialistas recomendam uma dieta equilibrada, uso moderado de álcool, exercícios regulares de acordo com a disposição física e a manutenção do equilíbrio emocional para controlar o estresse.
Reabilitação fisioterápica e condicionamento físico são fundamentais para a manutenção da atividade física e profissional.
Como em todas as doenças mal conhecidas, proliferam os assim chamados tratamentos naturalistas, alguns dos quais apregoam resultados milagrosos para a fadiga crônica. Infelizmente, não há qualquer evidência científica de que eles modifiquem a evolução da doença.
Fonte: http://drauziovarella.com.br/drauzio/sindrome-da-fadiga-cronica/

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

3 Excelentes Artigos Científicos publicados em nossa Página

A Abrafibro sempre presou pelo conhecimento.
Neste intuito, que também é comungado por seus membros, eles nos trazem publicações importantes e muito relevantes para nosso conhecimento.
Desta vez é brasileiro!
São estudos publicados na Revista Brasileira de Reumatologia - Ed. 5 - Setembro/Outubro 2014.

Para ler cada um deles, acesse nossa Página: Abrafibro Conhecimentos e Pesquisas Científicas da Sindr. de Fibromialgia
Nosso link é: https://www.facebook.com/AbrafibroConhecimentosCientificos

São estes os novos temas:

  • A ação analgésica da lidocaína intravenosa no tratamento da dor crônica: uma revisão de literatura (*inclui fibromialgia)
  • Características da marcha de mulheres com fibromialgia: um padrão prematuro de envelhecimento
  • Caracterização dos padrões de dor, sono e alexitimia em pacientes com fibromialgia atendidos em um centro terciário brasileiro

Temas estes que não são só de interesse dos pacientes, mas de profissionais da sáude, ligados a dor e ao tratamento da fibromialgia.
Indiquem, compartilhem, informem-se!

Com conhecimento tudo pode ficar muito mais fácil!


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Musicoterapia alivia pacientes com fibromialgia

Investigadores espanhóis da Universidade de Granada comprovaram que a musicoterapia aliada a uma série de técnicas de relaxamento a partir de imagens, melhora a qualidade de vida destes pacientes ao permitir diminuir de forma notável dos sintomas associados à fibromialgia como a dor, a depressão, a ansiedade e a  qualidade do sono.


O estudo experimental, pioneiro na Europa, foi realizado com pacientes de fibromialgia das províncias de Granada, Almería e Córdoba. Foram analisadas diversas variantes como os principais sintomas do paciente, a intensidade da dor, a qualidade de vida, o impacto da doença na vida cotidiana, os transtornos no sono, a ansiedade, a depressão e a autoeficácia do paciente bem como o bem-estar geral e conhecimento da sua condição.

Os investigadores apontam que este tratamento alternativo é uma solução de baixo custo, de fácil aplicação e inúmeros benefícios, que podem ser postos em prática pelo próprio paciente. Alertam também que serão necessários mais estudo empíricos que abordem outras variáveis fisiológicas. 
Fonte: http://boasnoticias.pt/mobile/noticias.php?id=5095
O estudo será publicado em breve na revista especializada Pain Management Nursing.

Apresentação 'Dr. Roberto E. Heymann FIBROMIALGIA Aspectos Médicos Legais.'

Apresentação 'Dr. Roberto E. Heymann FIBROMIALGIA Aspectos Médicos Legais.'
(click no link acima para acessar os slides sobre o tema citado)


Uma sessão de slides de um tema que muito nos interessa, de autoria do

      Dr. Roberto E. Heymann

Graduação em Medicina pela Faculdade de Medicina do Abc (1986), mestrado em Reumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (1993) e doutorado em Reumatologia pela Universidade Federal de São Paulo (1997). Foi presidente do comitê de dor, fibromialgia da Sociedade Brasileira de Reumatologia,  Assistente Doutor da disciplina de Reumatologia da UNIFESP.
É membro da Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Doenças Dolorosas da Sociedade Brasileira de Reumatologia. 
Reumatologista do corpo clínico do Hospital Albert Einstein.
Editor da Revista Brasileira de Reumatologia. 

Este assunto é de interesse de todos os pacientes fibromiálgicos. Os aspectos legais mostra a situação atual no cenário nacional, e o paciente é o principal interessado.

Fontes: 
http://slideplayer.com.br/slide/1223303/
http://robertoheymann.com.br/dr-roberto-heymann

O tratamento da dor na fibromialgia

Fibromialgia: Criação de um plano de tratamento



Fibromialgia é uma condição complicada. Ela não tem causas específicas e nenhuma cura conhecida. No entanto, para aqueles que a têm - como muitos, como um em cada 50 americanos - a dor, fadiga e desgaste psicológico crônico da fibromialgia são por demais evidente.
Os sintomas da fibromialgia são tratáveis, no entanto muitos especialistas acreditam que o melhor tratamento é uma abordagem multifacetada que combina medicação com mudanças de estilo de vida e tratamentos alternativos.  
Você pode precisar trabalhar com o seu médico, um fisioterapeuta, e possivelmente outros para adaptar um plano de tratamento para suas necessidades. Aqui está como começar.

O tratamento da fibromialgia: Comece com o diagnóstico

A fibromialgia é uma síndrome- Um conjunto de sintomas, em vez de uma doença específica. Alguns dos sintomas da fibromialgia mais conhecidos, são:
  • Dor generalizada
  • Fadiga severa
  • Os pontos sensíveis no corpo
  • Ansiedade ou depressão
Os médicos costumam diagnosticar a fibromialgia, considerando critérios como a dor, quanto tempo você teve e quão disseminada é, e por exclusão de outras causas. Isto pode ser complicado, no entanto, porque os sintomas associados com fibromialgia podem ser causados por outras condições. Portanto, é melhor consultar um médico que esteja familiarizado com fibromialgia.
Existe um exame de sangue que supostamente é altamente preciso no diagnóstico de fibromialgia. O teste - chamado FM / a - identifica marcadores produzidos por células do sangue do sistema imunológico em pessoas com fibromialgia. Pergunte ao seu médico sobre o teste, que custa cerca de US$ 750. (*Este exame ainda não tem aval científico. Aqui no blog já existe o artigo publicado sobre ele.  Utilize "Pesquisa no Blog", na coluna à sua direita, para encontrar o artigo. Não existe ainda no Brasil)

Saiba sobre a fibromialgia Medicamentos


 Uma vez que você tenha sido diagnosticado com fibromialgia, o seu médico irá conversar com você sobre as opções de tratamento. Vários tipos de medicamentos são usados ​​para ajudar a gerenciar os sintomas da fibromialgia, como dor e fadiga.
Três medicamentos são aprovados pela FDA(Seria a ANVISA no Brasil ) para tratar a fibromialgia:
  • Cymbalta (duloxetina) (No Brasil temos também: Velija e Cymbi): um tipo de antidepressivo chamado inibidor da recaptação da serotonina e norepinefrina (IRSN). Os pesquisadores não têm certeza de como Cymbalta trabalha em fibromialgia, mas eles pensam que os níveis crescentes de controle de serotonina e noradrenalina ajudam a reduzir o sentir de dor.
  • Lyrica (pregabalina): Lyrica é para uma dor no nervo e uma droga para epilepsia. Em pessoas com fibromialgia, pode ajudar a acalmar as células nervosas excessivamente sensíveis que enviam sinais de dor por todo o corpo. Ele tem sido eficaz no tratamento da dor do fibro.
  • Savella (milnaciprano): Savella também é um SNRI. Embora os pesquisadores não saibam exatamente como funciona, os estudos mostraram que ele ajuda a aliviar a dor e reduzir a fadiga em pessoas com fibromialgia. 
Os antidepressivos também são por vezes, prescritos para ajudar as pessoas a gerir os sintomas da fibromialgia:
  • Os antidepressivos tricíclicos. Ao ajudar a aumentar os níveis de serotonina e norepinefrina substâncias químicas do cérebro, estes medicamentos podem ajudar a relaxar os músculos doloridos e a melhorar analgésicos, hormônios naturais do corpo.
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS). O seu médico pode prescrever um desses tipos de antidepressivos, por si só ou em combinação com antidepressivos tricíclicos. SSRIs impedem que a serotonina seja reabsorvida no cérebro. Isso pode ajudar a aliviar a dor e fadiga.
Estes medicamentos são também prescritos às vezes para a fibromialgia:
  • Anestésicos locais. injetada em áreas especialmente nos locais mais dolorosos, os anestésicos podem fornecer algum alívio temporário, geralmente por não mais do que três meses.
  • Anticonvulsivantes ou medicamentos anti-convulsivos como o Neurontin são eficazes para reduzir a dor e ansiedade. Não está claro como estes medicamentos funcionam para aliviar os sintomas da fibromialgia. 
  • Mio Relaxantes ocasionalmente são prescritos para ajudar a aliviar a dor associada com a tensão muscular em pessoas com fibromialgia.  

Seu Plano de Tratamento de Fibromialgia: Mantenha-se Ativo


O exercício é uma parte importante na gestão dos sintomas da fibromialgia. Ficar fisicamente ativo pode aliviar a dor, estresse e ansiedade.
A chave é começar devagar. Comece com alongamento e atividades de baixo impacto, como caminhadas, natação ou outros exercícios na água, ou andar de bicicleta. Exercícios aeróbicos de baixo impacto , tais como yoga, tai chi, ou Pilates também podem ser úteis. Se você quiser aumentar a intensidade do exercício, fale com o seu médico.
Seja qual for o exercício que você escolher, o foco em três áreas: a amplitude de movimento, aeróbica e treinamento de força.

Fisioterapia para a fibromialgia


A fisioterapia pode ajudar você a obter o controle de sua doença, concentrando-se no que você pode fazer para melhorar seu estado, em vez continuar com seus sintomas crônicos.
Um fisioterapeuta pode mostrar-lhe como obter alívio temporário da dor da fibromialgia e rigidez, ficar mais forte e melhorar a sua amplitude de movimentos. E ela pode ajudá-lo a fazer pequenas mudanças, como praticar uma boa postura, que ajudam a evitar dolorosas crises.

Tratamentos alternativos para a fibromialgia

Uma série de tratamentos de fibromialgia populares caem fora do âmbito da medicina convencional. Em geral, não tem havido uma extensa pesquisa sobre medicina complementar e alternativa (MCA), mas as evidências sugerem que alguns podem funcionar. Sempre fale com o seu médico antes de iniciar qualquer tratamento alternativo.
Tratamentos alternativos mais populares incluem:
  • Acupuntura. Esta antiga prática de cura tem como objetivo aumentar o fluxo sanguíneo e produção de analgésicos naturais com finas agulhas inseridas na pele em pontos estratégicos do corpo. Alguns estudos relatam que a acupuntura pode ajudar a aliviar a dor, ansiedade e fadiga.

  • Massagem terapêutica. Isso pode ajudar a reduzir a tensão muscular, aliviar a dor em ambos os músculos e tecidos moles,melhoram a amplitude de movimento, e aumentam a produção de analgésicos naturais.

  • Tratamento quiroprático. Com base em ajustes da coluna vertebral para reduzir a dor, esta terapia popular pode ajudar a aliviar os sintomas da fibromialgia.
  • Suplementos. Uma série de suplementos dietéticos e outros são apregoados como tratamentos destinados a aliviar os sintomas da fibromialgia. Alguns dos mais populares para a fibromialgia incluem magnésio, a melatonina, 5-HTP, e mesmo, o que pode afetar os níveis de serotonina. No entanto, os resultados de estudos sobre esses suplementos são misturados. Certifique-se de conversar com seu médico antes de tomar qualquer suplementoAlguns podem ter efeitos colaterais e pode reagir mal com a medicação que está tomando.
  • Ervas. Tal como acontece com os suplementos, a evidência científica para a eficácia das ervas é confusa.Alguns estudos têm demonstrado que a erva de São João pode ser tão eficaz quanto a certos medicamentos de prescrição para o tratamento de depressão leve. *Certifique-se de conversar com seu médico antes de tomar qualquer suplementoAlguns podem ter efeitos colaterais e pode reagir mal com a medicação que está tomando.
Fonte:  http://www.webmd.com/fibromyalgia/fibromyalgia-pain-10/fibromyalgia-creating-treatment-plan?page=2

Fotos para ilustração retiradas na internet.
NOSSO INTUITO OU NOSSAS MATÉRIAS NÃO SUBSTITUEM, SOB QUALQUER PRETEXTO, A CONSULTA MÉDICA. ANTES DE MODIFICAR, ALTERAR, MISTURAR COM OUTRO MEDICAMENTO/CHÁS/ERVAS/SUCOS CONSULTE ANTES SEU MÉDICO.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

12 DICAS PARA LIDAR COM A FIBROMIALGIA

Sem Stress

Mulher meditando na margem de um rio

 Stress e desencadear os sintomas da  fibromialgia. Minimizando o stress é possível melhorar sua qualidade de vida. Alguns destruidores do stress comprovados são yoga, exercícios, sono e meditação. Respirar profundamente e expirando lentamente também pode ajudar. Ou manter-se em atividades mentais que você goste ou que fazem você se sentir melhor. Quando o stress chega, faça uma ou as duas técnicas.

Anote


Se "névoa fibro" está prejudicando o seu foco ou a memória, mantenha uma caneta e papel à mão. Faça de tarefas e até mesmo "a dizer" listas - para ajudar a lembrar tópicos que pretende conversar com o seu cônjuge ou familiares sobre. Mantenha listas de compras, os nomes dos amigos, e números de telefone e endereços importantes em um notebook para levar com você.
To-Do List preso ao espelho do banheiro da mulher
(*Fazer: comida, pagar contas, trocar o óleo, aspirar, pegar as crianças)

Exercício regularmente

Regulares, os exercícios de baixa intensidade, como caminhar ou fazer exercício em água quente, é um dos melhores tratamentos para a fibromialgia. Eles ajudam na dor e na diminuição da rigidez, reduzem o estresse, e podem aumentar a sua sensação de controle sobre fibromialgia. Você também pode dormir melhor. Fale com o seu médico ou com um fisioterapeuta sobre um bom programa de exercícios para você.
Mulheres que fazem hidroginástica com halteres

Faça uma séria imersão

Imersão em um banho quente ou em banheira de água quente pode relaxar os músculos tensos, reduzir a dor, e ajudá-lo a se mover mais facilmente. Se é difícil para você entrar e sair da banheira, tentar uma sauna ou colocar um banquinho no chuveiro para que você possa sentar-se e deixar a água fazer o seu trabalho. O calor úmido pode aumentar as endorfinas, que bloqueiam os sinais de dor, e ajudam a dormir mais profundamente.
Ruiva imersão em uma banheira

Prefira o descafeinado

A cafeína pode agravar o stress, tanto física como psicologicamente. Ela estimula o coração e sistema nervoso central, e pode aumentar o nervosismo, ansiedade, e insônia. Então descafeinados para desestressar. Para dormir melhor à noite, evite cafeína do final da tarde diante. Preste atenção para a cafeína no chocolate, café e alguns refrigerantes e chás.
Garçonete derramar xícara de café descafeinado



Tomar todos os dias algum tempo só para você

Fibromialgia pode representar desafios de saúde exclusivos e tornar a vida complicada. Então, é preciso ter um tempo para si mesmo todos os dias, como parte do seu tratamento. Perca-se num passatempo, coloque uma música, descanse - o que faz você se sentir bem. Pode trazer mais equilíbrio à sua vida, ajudá-lo a combater o stress, e aumentar a sua energia para as coisas que você precisa fazer.
Mulher, segurando, paleta e pintura em cavalete

Faça do seu Trabalho uma Vida Melhor

É o trabalho o deixa exausto e com dor? Projete um plano flexível que funciona para você e seu chefe, se for possívelPergunte sobre o trabalho de casa em tempo parcial, ou defina o seu horário para mais cedo ou mais tarde no dia, para que você possa ser mais produtivo. No escritório, reorganize o seu espaço de trabalho para o conforto e fácil acessibilidade. Um fone de ouvido de telefone, bandeja de teclado, ou outros produtos podem ajudar a colocar menos estresse em seu corpo.
A mulher no sofá com os cães, enquanto trabalha em casa

Falar sobre isso

Fibromialgia coloca pressão sobre você e aqueles ao seu redor. A comunicação é crítica. Não tente sempre colocar sobre você uma cara feliz. Seus entes queridos precisam saber o que piora os sintomas. Planeje conversar para ter o seu melhor tempo do dia. Tente se concentrar em um assunto e procurar soluções. E não tenha medo de pedir ajuda - de amigos, outros com fibromialgia, ou um conselheiro. 
Pares que têm uma discussão séria em seu sofá

Apenas diga não

A fibromialgia é às vezes chamada de "doença invisível" - você pode olhar bem, mas me sinto mal. As pessoas podem esquecer o que você precisa para priorizar e também o seu ritmo. Na pesagem das atividades, favores ou convites considere se eles vão mantê-lo em do repouso, exercício, ou relaxamento, e o  que você precisa para se sentir bem. É tudo certo se você simplesmente disser "não". E cumpri-lo.
Over-agendada calendário com atividade cruzado para fora
(* Comprar flores, assar biscoitos para vender, banho do bebê, futebol do Sam)

Faça seu quarto um santuário do sono

Se você não está tendo um bom descanso, defina o humor em seu quarto de dormir. Reserve a cama para dormir, mantenha o quarto escuro, silencioso, fresco e livre de distrações. Mantenha um horário regular de sono e regule seu tempo no computador , e não fique tarde-noite assistindo TV.Em vez disso, relaxe com música relaxante ou um banho quente.
Mulher usando fones de ouvido, enquanto relaxa na cama


Faça seu diário

Mantenha o controle sobre eventos, atividades, sintomas e alterações de humor que podem ajudar você a tomar conta da fibromialgia. Pode fazê-lo ciente de quando os sintomas começam e, ao longo do tempo, o que pode estar desencadeando-os. Depois, você pode trabalhar para eliminar os gatilhos ou aprender estratégias de enfrentamento para diminuir seu impacto.

Junte-se a um grupo de apoio

Os grupos de apoio podem desempenhar um papel importante na vida das pessoas com uma doença crônica. Seja pessoalmente ou on-line, eles oferecem um lugar seguro para falar com outras pessoas que podem compartilhar suas frustrações e preocupações. Os grupos de apoio fornecer apoio emocional, informações e dicas para lidar. (*a Abrafibro e suas unidades - Grupos de Apoio. Vide endereço eletrônico, no facebook, no cabeçalho deste blog)
Grupo de apoio no meio de discussão


Tradução: Sandra Santos - Diretora da Abrafibro - Associação Brasileira dos Fibromiálgicos.





sexta-feira, 14 de novembro de 2014

É A HORA, É A VEZ!!! SEMANA DE COMBATE À DOR, REALIZADO PELA SBED. NÃO ADIANTA RECLAMAR, TEM QUE PARTICIPAR!!!





A SBED - Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor fará a Semana do Combate à Dor, de 17 a 21 de novembro de 2014, com exposição no Espaço Mário Covas, Anexo II da Câmara dos Deputados, no Congresso Nacional, em Brasília/DF. O evento é gratuito e aberto ao público. 

Para participar desta campanha, além de visitar a exposição em Brasília, tanto profissionais da saúde como pacientes podem enviar mensagens aos governantes e parlamentares, dar depoimentos descrevendo as necessidades e dificuldades que enfrentam, disseminar a campanha entre os amigos nas redes sociais, mobilizar eventos por meio das entidades de saúde que participam, divulgando assim a importância da questão da dor no Brasil.

Então vamos começar esta campanha...  


Faça uma mensagem padrão, e só copie e cole na hora de enviar. É mais rápido e menos a digitar.

VAMOS ENVIAR MILHARES E MILHARES DE MENSAGENS ... VAMOS FALAR COM:

Deputados Federais:  http://www2.camara.leg.br/participe/fale-conosco/fale-com-o-deputado

Senadoreshttp://www.senado.gov.br/senado/alosenado/default.asp?s=fs&area=internet&a=f

Presidênciahttps://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php

A Abrafibro - Assoc. Bras. dos Fibromiálgicos não poderia ficar de fora. Sua participação é FUNDAMENTAL

Envie... envie... envie... divulgue, divulgue, divulgue....





Dor que não cessa

Alterações na transmissão neural dos sinais dolorosos estão na base da fibromialgia, mas traços de personalidade, traumas e stress crônico ajudam a deflagrar a síndrome que afeta principalmente as mulheres


“Afinal de contas, o que eu tenho, doutor?” Durante muitos anos essa foi uma pergunta sem resposta para a advogada Sandra Kaufmann, 55 anos, que nos últimos 20 anos visitou dezenas de consultórios médicos em busca de um diagnóstico para suas dores crônicas e generalizadas. Na verdade, recebeu vários, até mesmo o de hipocondria, úlcera do estômago e acidente vascular cerebral. E não raras foram as vezes em que os médicos, depois de pedirem baterias de exames, concluíram que sua dor era “psicológica”. 

Os sintomas de Sandra começaram depois do nascimento do terceiro filho: dores difusas e intermitentes em diferentes partes do corpo que, com o tempo, foram se tornando tão intensas que a impediram de trabalhar regularmente. Hoje ela tem um diagnóstico: fibromialgia – o que não significa que suas perguntas foram respondidas.



Por ser uma doença difícil de ser detectada e pouco conhecida, seus dados epidemiológicos fornecem uma idéia ainda imprecisa do quadro. Estudos feitos nos Estados Unidos e na Europa indicam que a doença afeta quase 6% dos pacientes dos consultórios de clínica geral, até 8% dos que se encontram hospitalizados e cerca de 20% das pessoas atendidas por reumatologistas. O problema predomina em mulheres (de 80% a 90% dos casos) com idade entre 30 e 60 anos, embora possa se manifestar também em crianças, adolescentes e idosos. Curiosamente, é mais comum nos estratos sociais e educacionais mais altos.

HIPERSENSÍVEIS

Como não se conhecem as causas da fibromialgia, os especialistas preferem chamá-la de síndrome. Além da dor generalizada, os principais sintomas são fadiga crônica, perturbações do sono, enxaqueca e aumento da sensibilidade tátil, visual, auditiva e olfativa. Alterações de humor, dificuldade de concentração e cólicas menstruais intensas também são comuns. Apesar de tudo isso, não existe um só exame laboratorial ou de imagem capaz de ajudar o médico no diagnóstico, que depende totalmente do seu faro clínico – razão pela qual não são raros os que não dão a devida importância às queixas das pacientes.  Sandra é um exemplo disso. Ela viveu na pele as conseqüências da desinformação médica. “A pior coisa é você estar com o corpo doendo e o médico dizer que é efeito do stress, que eu só precisava de férias”, diz.
Negligenciada por décadas, a fibromialgia começou a ser estudada sistematicamente no fim dos anos 80 e não tardou muito para que os cientistas percebessem alterações nos mecanismos da dor. Estudos mostram que não há nada errado com o corpo dessas mulheres; o problema está no sistema nervoso central. Umas das primeiras evidências vieram da Universidade de Heidelberg, quando o neurobiólogo Siegfried Mense conseguiu induzir em ratos um conjunto de sintomas muito semelhantes do quadro fibromiálgico. Para isso ele inibiu, por meio de resfriamento, a transmissão dos sinais de dor conduzidos pela medula espinhal. Esperava-se que a sensibilidade fosse completamente inibida, mas não foi isso que aconteceu; os roedores ainda sentiam alguma coisa e continuavam se esquivando dos estímulos dolorosos. 
Hoje a idéia mais aceita é a de que a fibromialgia está relacionada a uma maior sensibilidade ou, mais precisamente, a uma redução do limiar a partir do qual um estímulo é capaz de acionar os receptores de dor, que enviam esse sinal ao cérebro, o qual, por sua vez, interpreta a informação como um “Ai!”. 
Estudos conduzidos pelo médico Zoltan Gerevich, da Universidade de Leipzig, mostram que o fenômeno tem como base alterações bioquímicas nos nervos periféricos que chegam à medula espinhal. Neles, determinadas moléculas receptoras regulam, em condições normais, a liberação do neurotransmissor glutamato, cujo efeito é a inibição da transmissão do sinal doloroso. Na ausência desses receptores, porém, sente-se uma dor difusa que parece ter origem nos músculos, ossos e tendões.

No entanto, a curiosidade dos cientistas não se deteve na medula e avançou para dentro do crânio com a ajuda da ressonância magnética funcional (fMRI). As imagens revelaram que o córtex sensorial primário – que recebe os sinais de tato e dor – é mais sensível aos estímulos periféricos nos pacientes com fibromialgia. Mais recentemente, uma revisão feita pela equipe do médico Richard Harris, da Universidade de Michigan, confirmou que, nesses pacientes, tanto as estruturas que transmitem quanto as que codificam a dor estão hiperativas. A genética estaria entre os principais fatores predisponentes, e aspectos emocionais estão, sem dúvida, envolvidos no desencadeamento do distúrbio, segundo os autores.

AUTOCRÍTICA

Depois de muita fisioterapia e diversos medicamentos, que sempre trouxeram alívio por tempo limitado, Sandra começou a fazer psicoterapia em grupo no laboratório de fibromialgia coordenado pelo médico Ulrich Egle, da Universidade de Mainz. Ao lado de oito pacientes ela participou dos debates e dos exercícios que tinham um objetivo específico: lidar melhor com as próprias emoções. Antes de começar a oferecer a psicoterapia, a hipótese de Egle era que as pessoas com essa síndrome poderiam ter passado por experiências traumáticas na infância, como violência física ou negligência. À medida que os grupos se sucederam, sua ideia foi confirmada e ele percebeu que quase todos os pacientes justificavam seu problema como algo “herdado” da família. Isso poderia explicar, segundo o pesquisador, por que a fibromialgia afeta mais as mulheres, uma vez que elas estariam mais expostas que os homens a traumas infantis. Além disso, o ciclo hormonal também poderia contribuir para a oscilação emocional e a susceptibilidade ao stress.

Há ainda outras características comuns nas mulheres com fibromialgia. “Baixa auto-estima, perfeccionismo, autocrítica severa e busca obsessiva do detalhe compõem o perfil psicológico dessas pacientes”, conta Egle. É muito freqüente ouvir delas que as dores começaram após eventos radicais ou repentinos, como desemprego, morte na família e separação.

Outro aspecto que intriga os especialistas é a relação entre fibromialgia e distúrbios do sono. Ninguém sabe o que é causa e o que é consequência. “A maioria dos pacientes diz que dorme mal por causa das dores”, diz o reumatologista Michal Späth, da Universidade de Munique. “Em contrapartida, o tratamento dos distúrbios do sono geralmente traz alívio considerável para os outros sintomas.” 

A fibromialgia geralmente está associada a alterações no estágio 4 do sono de ondas lentas, também conhecido como não-REM, o que se reflete num sono superficial e não restaurador, conforme relatam os pacientes. Experimentos com voluntários nos quais foi induzida privação desse estágio acarretaram fadiga crônica e dores generalizadas. Späth alerta, porém, para o fato de que até 50% das suspeitas de fibromialgia não se confirmam. Isso porque pessoas submetidas a stress crônico parecem desenvolver sintomas semelhantes aos da síndrome, os quais se manifestam ou se intensificam justamente na hora de dormir. 

Psicoterapia

Medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios raramente fazem efeito. As drogas de escolha costumam ser os antidepressivos, mas sua eficácia só é percebida em parte das pessoas em tratamento. Späth não abre mão da psicoterapia para seus pacientes e dá mais atenção ao lado emocional do que propriamente aos sintomas físicos. Entretanto, o reumatologista vê limitações na eficácia de métodos alternativos, como banhos com água quente e fria, acupuntura e massagem. “Embora tragam algum alívio, os resultados não se mantêm a longo prazo”, afirma. Sandra, por exemplo, é tratada com acupuntura há dois anos, mas reconhece que os efeitos já não são tão bons quanto no início. 

O fato é que, apesar dos avanços nas pesquisas sobre essa síndrome nos últimos 20 anos, ninguém tem uma ideia clara sobre suas origens. Para alguns cientistas, o distúrbio do sono é mais causa do que consequência. Outros acreditam que a fibromialgia seja deflagrada por uma infecção viral ou bacteriana, ou por alguma lesão na região superior da medula espinhal. Algumas pesquisas investigam possíveis anormalidades no sistema nervoso autônomo e no metabolismo muscular desses pacientes. 


Já os resultados da terapia em Mainz parecem promissores. De 80 participantes, dois terços reconhecem os benefícios do tratamento e metade ficou quase um ano praticamente livre das dores. Sandra está no grupo dos aliviados: “Antes, quando eu me irritava com as crianças, sentia aquela dor forte, como um puxão”, recorda. “Hoje vivo muito mais relaxada.” Desde então ela voltou a trabalhar meio período, o que melhorou muito sua qualidade de vida e seu relacionamento com a família. Além disso, agora ela consegue enfrentar os problemas do dia-a-dia com mais serenidade, sem se deixar irritar pelas pequenas adversidades. O marido e os filhos são testemunhas da lenta transformação: antes Sandra não suportava ver qualquer coisa suja na pia da cozinha e cobrava deles mais disciplina. Hoje esse tipo de situação já quase não lhe dói mais.