Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se extender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

Seja bem vindo ao nosso universo, complexo, diferente, invisível... mas é preciso lembrar que o Fibromiálgico não é invisível, e seus sintomas são reais.
Respeite o fibromiálgico!
Nem tudo que você não vê, você desacredita...
Com a fibromialgia não é diferente.
Ela é uma das síndromes ou doenças invisíveis.
Nenhum paciente escolhe ser fibromiálgico.
Carinho, respeito, apoio, entendimento, ações e benefícios governamentais e harmonia ajudam e muito... depende da sociedade, dos familiares, dos amigos.
Os órgãos governamentais que insistem em desmerecer e desrespeitar o paciente, e para mudar este quadro é que JUNTOS estamos lutando. Faça sua parte também.
Não seja você apenas mais um nesta lista. Você pode fazer a diferença. #JuntosSomosMaisFortes
Agradecemos sua atenção.
Boa Leitura!

Sandra Santos -
Diretora Geral e Fundadora
ABRAFIBRO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS

TRADUTOR

domingo, 22 de novembro de 2015

Médico português acredita ter descoberto causa da fibromialgia



sábado, 21 de novembro de 2015

Nova Abordagem para a fibromialgia aborda má qualidade do sono


Pam Harrison
17 de novembro de 2015
 Para os pacientes com fibromialgia, direcionando o tratamento para o sono não reparador, uma característica fundamental da síndrome, leva a melhorias em outros sintomas da doença, incluindo a dor, de acordo com duas análises de dados do estudo de fase 2b BESTFIT controlado com placebo.
 "Tem sido conhecida há muito tempo que o sono de má qualidade se correlaciona com a gravidade da doença em pacientes com fibromialgia", disse Seth Lederman, MD, diretor executivo da Tonix Pharmaceuticals, em Nova York, que estava envolvida em ambas as análises.
"Nós reconhecemos que o sono não era apenas um sintoma;. Sono pobre agrava a dor da fibromialgia. É provavelmente um ciclo vicioso de sono pobre, mais dor, mais dor, e pior o sono", disse ao Medscape Medical News.
"Na hora de dormir o cloridrato de ciclobenzaprina sublingual, tem como alvo vários receptores-chave envolvidos na regulação do sono, não funciona de imediato, mas após cerca de 4 semanas, virmos uma melhora na qualidade do sono, e depois disso, a dor e outros sintomas também melhoraram" Lederman, disse.
Os resultados das análises foram apresentados no American College of Rheumatology (ACR) 2015 Reunião Anual em San Francisco.
Estudo BESTFIT (Ajuste)
No estudo BESTFIT, os pacientes que preencheram os critérios de 2010 do ACR para fibromialgia, foram randomizados para sublinguais de ciclobenzaprina 2,8 mg tomado ao deitar por 12 semanas ou placebo. As medidas de desfecho incluíram avaliações diárias de dor e sono, classificados numa escala de 10 pontos, a Fibromialgia Impact Questionnaire Revised (FIQR), o Impression Global do Paciente da Mudança (PGIC) escala, e a escala PROMIS perturbação do sono.
Os resultados preliminares do estudo, conforme relatado pelo Medscape Medical News, mostrou que usar ao se deitar ciclobenzaprina sublingual, não conseguiu mudar escores médios diários de dor na semana 12; no entanto, fez conduzir a uma melhoria em uma série de desfechos secundários, incluindo medidas de sono, efeito sobre a dor, e a carga total dos sintomas.
Em contraste, a análise final de 172 pacientes avaliáveis, apresentado na reunião por Harvey Moldofsky, MD, do Centro de Sono e Cronobiologia em Toronto, demonstraram que a ciclobenzaprina sublingual tem um efeito favorável tanto sono e dor.
 Todas as medidas de qualidade do sono melhorou com a ciclobenzaprina durante o período de estudo de 12 semanas, assim como medidas de dor.
A redução na pontuação PROMIS perturbação do sono foi significativamente maior no grupo da ciclobenzaprina do que no grupo placebo por 4 semanas, e este foi sustentado para a semana 12 (8,96 vs 5,13 pontos; P  = .005).
Reduções na pontuação diária diário de sono foram significativamente maior no grupo da ciclobenzaprina do que no grupo placebo na semana 1. A significância foi perdida, mas depois recuperou na semana 6, que foi sustentado até a semana 12 (1,85 vs 0,88 pontos; P  <0 font="">
Reduções na pontuação FIQR, uma indicação de melhor qualidade do sono, foram significativamente maiores no grupo da ciclobenzaprina do que no grupo placebo por semana 2, que foi sustentado para a semana 12 (2,9 vs 1,2 pontos; P <0 font="">
"As melhorias na qualidade do sono precedido outras mudanças na fibromialgia", relatam os investigadores.
Isto foi confirmado pelos resultados da segunda análise, que foram apresentados pelo Dr. Lederman. Um modelo de medidas repetidas de mistos efeitos, revelou melhorias em vários domínios da fibromialgia durante o período de estudo de 12 semanas.
A taxa de resposta de dor na escala de dor diária, definida como uma melhora de pelo menos 30% da linha de base até à semana 12, foi melhor no grupo da ciclobenzaprina que no grupo de placebo (34% vs 20,6%; P  = 0,033).
Houve também melhorias significativas em escores de dor relatados durante as visitas clínicas (P  = 0,033) e no item de dor da escala FIQR (P  = 0,004).
Língua transitória ou dormência sublingual ocorreu em 42% dos pacientes tratados, mas os eventos adversos sistêmicos foram pouco frequentes e ganho de peso foi desprezível.
"Nossas novas análises dos dados Bestfit mostram que os pacientes que relataram a maior melhora na qualidade do sono foram os mais propensos a experimentar alívio da dor", disse Lederman.
"Uma diferença fundamental entre ciclobenzaprina e medicamentos para dor é que estamos atacando fibromialgia, melhorando a qualidade do sono em vez de tratá-lo com um remédio para dor, que é como colocar um curativo."
O julgamento AFFIRM, que está em andamento, é avaliar o efeito da hora de dormir da ciclobenzaprina sublingual na qualidade do sono e dor em 500 pacientes com fibromialgia.
Relacionado a Antidepressivos tricíclicos
A estrutura química da ciclobenzaprina está relacionada com antidepressivos tricíclicos e tem o potencial para provocar os mesmos efeitos adversos, incluindo os tricíclicos como boca seca, sonolência e fadiga, disse Robert Bennett, MD, a partir da Saúde & Ciência da Universidade de Oregon em Portland.
"Na maioria em estudos da ciclobenzaprina para fibromialgia, a dose inicial foi de 10 mg, com titulação ascendente a 40 mg, conforme necessário," Dr. Bennett disse Medscape Medical News.
Ele ressaltou que, em um estudo, "melhoria global média com ciclobenzaprina foi três vezes o observado com placebo" (Arthritis Rheum. 2004; 51: 9-13). No entanto, explicou, "fadiga e concurso pontos não melhorou."
Além disso, doses mais elevadas de ciclobenzaprina resultou em uma alta prevalência de efeitos indesejáveis, acrescentou.
Mas o Dr. Bennett disse que concorda que sono não reparador influencia negativamente as vias centrais da dor e que, as drogas que melhoram a qualidade do sono podem melhorar os sintomas diurnos da fibromialgia.
"O estudo de 12 semanas atual de ciclobenzaprina em baixa dose sublingual, tomado a noite, confirma a sua eficácia clínica de forma mais rigorosa do que há em relatórios anteriores", disse Bennett. "E além de lentidão ao falar e dormência sublingual, outros efeitos colaterais foram mínimos."
Futuros estudos ainda precisam estabelecer se há melhoria com a ciclobenzaprina além de 12 semanas, e se a dose de 2,8 mg utilizada neste estudo é a dose ideal, acrescentou. E estudos precisam determinar se existem quaisquer consequências adversas relacionadas com o uso a longo prazo de ciclobenzaprina, e se esta droga interage de forma negativa com outros medicamentos comumente usado para tratar a fibromialgia.
Dr. Lederman é o CEO da tonix Pharmaceuticals. Dr Moldofsky relata ter recebido honorários da tonix Pharmaceuticals. Dr. Bennett não declarou relações financeiras relevantes.
 American College of Rheumatology (ACR) 2015 Reunião Anual. Abstracts 2307 e 2308. Apresentado 10 de novembro de 2015.

Fonte: http://www.medscape.com/viewarticle/854619#vp_1  (somente para assinantes)






sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Implante de LED pode reduzir a dor crônica


Implante de LED pode reduzir a dor crônica

Por Redação Olhar Digital - em 17/11/2015 às 11h11



Um novo implante flexível pode ajudar a diminuir o sofrimento de quem sofre de dores crônicas. O dispositivo conta com um emissor de luz LED sem fio que, quando ativado, pode aliviar a dor diretamente do cérebro.

A técnica usa a optogenética, que combina a luz, a genética e a bioengenharia para estudar o comportamento dos neurônios e células específicas, usando feixes de luz ou lasers, para restringir processos específicos, como os que geram a dor no cérebro.  A tecnologia utilizada até hoje necessitava de um cabo de fibra óptica rígido, mantido parado, para funcionar, podendo prejudicar o tecido neural.

Reprodução

Como funciona?
O novo sistema implantável usa materiais macios e com propriedades semelhantes às dos tecidos biológicos, além de não precisar ser presa a um osso, o que pode ajudar a estudar casos de dores crônicas no sistema nervoso periférico e na medula espinhal. Uma antena consegue captar, através de sinais de rádio, a energia para alimentar o dispositivo, emitindo comandos para que os LEDs se acendessem.

Em testes com ratos, os pesquisadores descobriram que ao iluminar neurônios específicos associados à dor e modificados para que fossem sensíveis à luz, os comportamentos associados à dor diminuiram.


Via MIT -   http://www.technologyreview.com/news/543466/could-implantable-leds-relieve-your-pain/

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/implante-de-led-pode-reduzir-a-dor-cronica/53050

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Dor crônica faz cair produtividade no trabalho, diz pesquisa

 Três em cada quatro pessoas afirmaram que a dor atrapalha atividades diárias
01
Resiliência. Cássia Freitas já aprendeu a conviver com as cólicas menstruais, mas elas ainda afetam sua produtividade
 
 
EM 02/11/15 - 04h00
Nas aulas de biologia da escola, aprendemos desde cedo que a dor é um sinal de que alguma coisa não vai bem no organismo. Porém, se essa dor for crônica, ela pode ser, em si, um problema. Além de fazer o corpo liberar hormônios do estresse, uma recente pesquisa realizada pelo Ibope Conecta a pedido da indústria farmacêutica revelou que a dor crônica afeta todos os níveis da vida da pessoa.
A enquete, feita com 1.007 brasileiros com idade a partir de 18 anos, mostrou que três em cada quatro pessoas afirmam que a dor atrapalha atividades diárias, como trabalho, estudos e até o lazer, por exemplo.
“A dor crônica não incapacita a pessoa de realizar suas tarefas diárias, mas compromete a qualidade”, comenta a médica Lin Tchia Yeng, fisiatra do Centro de Dor do Hospital das Clínicas de São Paulo. Segundo ela, a dor é o principal fator causador do fenômeno chamado “presenteísmo”, em que o funcionário está presente no trabalho, mas com a mente vagando longe.
É exatamente assim que se sente a administradora pública Cássia Freitas, 22, em seus dias de cólica menstrual. Cinco ou seis dias por mês ela sofre com as dores, mas não interrompe suas atividades diárias.
“Não tem como eu parar a minha vida por isso. Quando eu era mais nova, faltava muito às aulas. Agora, trabalhando, não tem jeito. Alguns dias, quando a dor está muito forte, eu tenho que sair mais cedo, ou acabo chegando um pouco atrasada”, conta ela.
E mesmo quando está presente, ela reconhece que a produtividade não é igual. “Nos piores dias, produzo bem menos porque a cabeça também dói e há uma série de outros sintomas que vem junto. A dor é tão forte que só consigo me concentrar nela”, lamenta.
Editoria de arte
ATA26131-
 
Para melhorar. No desespero de se verem livres do incômodo, muitas pessoas acabam se automedicando. Mas esta nem de longe é a solução mais indicada. “Anti-inflamatórios todos os dias acabam prejudicando os rins”, diz a anestesista Gabriela Rocha Lauretti, que é chefe da Clínica de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto.
Em vez disso, técnicas de estimulação elétrica transcutânea podem ser uma opção com menos efeitos adversos. “Hoje, há um aparelhinho que se compra em farmácia e é portátil. São eletrodos que o paciente cola na pele para receber pequenos choques na região da dor”, conta Gabriela. Essa estimulação faz com que o corpo ative seus próprios recursos de analgesia, inibindo a sensação da dor.
Mesmo com algum alívio, o melhor ainda é procurar um médico para investigar as origens do problema. “A dor crônica é uma doença. Ela traz um prejuízo muito grande, diminui a qualidade de vida e precisa ser controlada”, declara a anestesista. É importante também cuidar dos hábitos de vida, já que muitas dores, como as musculares e as de cabeça, estão ligadas a práticas pouco saudáveis.
Flash
Cascata. A dor é a principal causa de insônia, o que deixa o sistema imunológico enfraquecido e a pessoa, mais vulnerável.