Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se extender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

Seja bem vindo ao nosso universo, complexo, diferente, invisível... mas é preciso lembrar que o Fibromiálgico não é invisível, e seus sintomas são reais.
Respeite o fibromiálgico!
Nem tudo que você não vê, você desacredita...
Com a fibromialgia não é diferente.
Ela é uma das síndromes ou doenças invisíveis.
Nenhum paciente escolhe ser fibromiálgico.
Carinho, respeito, apoio, entendimento, ações e benefícios governamentais e harmonia ajudam e muito... depende da sociedade, dos familiares, dos amigos.
Os órgãos governamentais que insistem em desmerecer e desrespeitar o paciente, e para mudar este quadro é que JUNTOS estamos lutando. Faça sua parte também.
Não seja você apenas mais um nesta lista. Você pode fazer a diferença. #JuntosSomosMaisFortes
Agradecemos sua atenção.
Boa Leitura!

Sandra Santos -
Diretora Geral e Fundadora
ABRAFIBRO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FIBROMIÁLGICOS

TRADUTOR

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O papel do perdão em pacientes que sofrem de fibromialgia

Lutando com adversidades da vida: o papel do perdão em pacientes que sofrem de fibromialgia



Offenbaecher, Martin MD, MPH * ; Dezutter, Jessie PhD † ; Kohls, Niko PhD ‡ ; Sigl, Claudia MSc * ; Vallejo, Miguel A. PhD § ; Rivera, Javier PhD ∥ ; Bauerdorf, Felix MD * ; Schelling, Jörg PhD * ; Vincent, Ann PhD ¶ ; Hirsch, Jameson K. PhD # ; Sirois, Fuschia M. PhD ** ; Webb, Jon R. PhD # ; Toussaint, Loren L. PhD ††

Clinical Journal of Pain: Junho de 2017 - Volume 33 - Edição 6 - p 528-534
Doi: 10.1097 / AJP.0000000000000432
Artigos Originais
Abstrato


Objetivos: Comparamos a magnitude e a direção das associações entre perdão e dor, saúde mental e física, qualidade de vida e raiva em uma amostra de participantes com síndrome da fibromialgia (FM) e controles saudáveis. Além disso, comparamos FM e controles nos níveis médios dessas variáveis.



Materiais e Métodos: Um total de 173 indivíduos com FM e 81 de controles completaram este estudo. Fibromialgicos participantes e de controles eram residentes na Alemanha, recrutados com o apoio da Federação Alemã de Fibromialgia e de vários grupos de auto-ajuda. Fibromialgicos participantes e de controle tinham cerca de 53 anos de idade, principalmente casados ​​(70%), cristãos (81%), com níveis de educação variando de 9 a 13 anos. Todos os participantes completaram avaliações de perdão, dor, saúde, qualidade de vida e raiva.



Resultados: As análises revelaram que os participantes Fibromiálgicos  relataram maior dor x raiva e saúde x qualidade de vida mais precárias. Fibromiálgicos participantes  também relataram níveis mais baixos de perdão de si mesmo e aos outros. O tamanho e a direção das associações de perdão com dor, saúde, qualidade de vida e raiva não foram significativamente diferentes entre indivíduos saudáveis ​​e indivíduos com Fibromialgia.

Discussão: O perdão do eu e dos outros é benéficamente associado à dor, à saúde, à qualidade de vida e à raiva em participantes Fibromiálgicos, em níveis que são de tamanho e direção semelhantes aos de controles saudáveis. No entanto, os participantes Fibromiálgicos manifestam níveis mais baixos de perdão de si e de outros. A promoção terapêutica do perdão como uma estratégia de enfrentamento psicossocial pode ajudar os pacientes com Fibromialgia, a gerenciar melhor os sintomas psicológicos e físicos, aumentando assim o bem-estar.

Fonte: http://journals.lww.com/clinicalpain/Fulltext/2017/06000/Struggling_With_Adversities_of_Life__The_Role_of.7.aspx

Tradução: Google e Sandra Santos


sábado, 6 de maio de 2017

Sintomas físicos da depressão

Sênior, sentando, cima, noturna

Problemas de sono

Depressão pode afetar seu corpo, bem como sua mente. O problema de cair ou permanecer adormecido é comum em pessoas que estão deprimidas. Mas alguns podem achar que eles ficam muito fechados.
Mulher com dor no peito

Dor no peito

Pode ser um sinal de problemas de coração, pulmão ou estômago, por isso consulte o seu médico para descartar essas causas. Às vezes, porém, é um sintoma de depressão.
Depressão também pode aumentar o risco de doença cardíaca. Além disso, as pessoas que tiveram ataques cardíacos são mais propensas a estar deprimidas.

Mulher, dormir, sofá

Fadiga e Exaustão

Se você se sentir tão cansado que, não tem energia para tarefas diárias - mesmo quando você dorme ou descansa muito - pode ser um sinal de que você está deprimido. Depressão e fadiga juntos tendem a fazer ambas as condições parecem piores.

Mulher, pescoço, dor

Músculos e articulações doloridos

Quando você vive com dor contínua pode aumentar o risco de depressão.
A depressão também pode levar à dor, porque as duas condições compartilham mensageiros químicos no cérebro. Pessoas que estão deprimidas são três vezes mais propensos a ter dor regular.

Mulher, pendurando, sobre, pia

Problemas digestivos

Nossos cérebros e sistemas digestivos estão fortemente conectados, e é por isso que muitos de nós temos dores de estômago ou náuseas quando estamos estressados ​​ou preocupados.
A depressão pode levar a desarranjos em seu intestino também - causando náuseas, indigestão, diarreia ou constipação.

Mulher com dor de cabeça
Dores de cabeça
Um estudo mostra que as pessoas com depressão maior são três vezes mais propensos a ter enxaquecas, e as pessoas com enxaquecas têm cinco vezes mais probabilidades de ficar deprimido.
Infeliz, mulher, restaurante

Alterações no apetite ou peso

Algumas pessoas sentem menos fome quando ficam deprimidas. Outros não conseguem parar de comer. O resultado pode ser ganho de peso ou perda, juntamente com a falta de energia.
Depressão tem sido associada a distúrbios alimentares como bulimia, anorexia ou compulsão alimentar.
Mulher, esfregando, dormente, costas

Dor nas costas


Quando dói normalmente a coluna lombar, que á a base da coluna, pode contribuir para a depressão. E as pessoas que estão deprimidas podem ser quatro vezes mais propensas a ficar intensa, incapacitante pescoço ou dor nas costas.

Homem, ficar, braços, cabeça

Agitado e Inquieto

Problemas de sono ou outros sintomas de depressão podem fazer você se sentir assim. Os homens são mais propensos do que as mulheres a ficarem irritadas quando estão deprimidas.
Par, dormindo, costas, costas

Problemas sexuais

Se você está deprimido, você pode perder seu interesse em sexo. Alguns medicamentos prescritos, que tratam a depressão, também podem tirar sua libido e afetar o desempenho. Converse com seu médico sobre suas opções de remédios.

Família, hula, hooping, junto

Exercício

Pesquisas sugerem que se você fizer isso regularmente, há a liberação de substâncias químicas em seu cérebro, que fazem você se sentir bem, melhorar o seu humor e reduzir a sua sensibilidade à dor.
Embora a atividade física por si só não cura a depressão, ela pode ajudar a aliviar a longo prazo.
Se você está deprimido, às vezes pode ser difícil obter a energia para o exercício. Mas tente lembrar que pode aliviar a fadiga e ajudá-lo a dormir melhor.


Lidar com sentimentos de culpa associados à fibromialgia

1 DE MAIO DE 2017
Lidar com sentimentos de culpa associados à fibromialgia