Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas cem diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? Leia na coluna à sua esquerda.

TRADUTOR

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Estudo de Revisão de Literatura Revela Benefícios do Remeron para Pacientes com Fibromialgia

O tratamento com Remeron (mirtazapina) pode melhorar a dor, o sono e a qualidade de vida em pacientes com fibromialgia , sugere um estudo do Departamento de Assuntos de Veteranos.


Mas mais estudos de longo prazo são necessários para fornecer evidências clínicas adicionais dos efeitos terapêuticos de Remeron nesses pacientes, disseram os autores.

O estudo, " O papel da mirtazapina em pacientes com fibromialgia: uma revisão sistemática ", foi relatado na revista Rheumatology International .

Os pacientes com fibromialgia são frequentemente tratados com vários medicamentos, incluindo antidepressivos, anticonvulsivos, relaxantes musculares, anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs) e opióides. Embora tenham demonstrado ser eficazes no tratamento de alguns sintomas específicos, essas terapias geralmente não conseguem tratar efetivamente a lista completa de sintomas relacionados à fibromialgia.

Remeron é um antidepressivo que foi aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA para o tratamento de transtornos depressivos maiores. A droga pode aumentar a liberação de algumas moléculas de sinalização do cérebro e também pode inibir a atividade de outras.

Seu amplo modo de ação ajuda a explicar por que Remeron pode modular o humor, além de agir como um sedativo, ao mesmo tempo em que ajuda a controlar os distúrbios do sono.

Estudos anteriores sugeriram que Remeron poderia ser um tratamento potencial para a fibromialgia, mas até agora o seu uso não foi recomendado pela Liga Europeia contra o Reumatismo (EULAR).

Para avaliar ainda mais o seu potencial na fibromialgia, uma equipe do Durham Veterans Affairs Medical Center revisou as informações disponíveis na literatura. A análise incluiu dados de três estudos randomizados, controlados por placebo e um estudo aberto.

Esses estudos mostraram que o Remeron mostrou efeitos positivos sobre as medidas de dor, sono e qualidade de vida em pacientes com fibromialgia que não haviam recebido tratamento antes ou que haviam falhado nas opções de tratamento anteriores.

Dois estudos descobriram que o antidepressivo poderia reduzir significativamente a dor em comparação com a linha de base (o início do estudo), enquanto os outros dois apresentaram melhorias em comparação com o placebo.

Como cada estudo usou diferentes métodos para medir a dor, isso limita a capacidade de comparar os diferentes resultados. Ainda assim, essa limitação também pode ser vista como uma força, já que de forma independente, os métodos usados ​​para avaliar a eficácia de Remeron para controlar a dor foram demonstrados em todos os quatro estudos.

"Isso também pode contribuir para resultados mais generalizáveis ​​que podem ser aplicados a uma gama mais ampla de pacientes com fibromialgia", escreveram os pesquisadores.

Os estudos também revelaram que o tratamento com Remeron poderia melhorar a qualidade de vida desses pacientes, já que se observou melhora significativa do funcionamento emocional e da dor corporal. Outros domínios como saúde mental, vitalidade e saúde geral também foram encontrados para ser positivamente impactados pela droga.

"A descoberta de que a mirtazapina [Remeron] pode impactar positivamente a qualidade de vida é importante, pois os pacientes com fibromialgia relatam um alto impacto em sua qualidade de vida devido à carga da doença", disseram os autores.

Além disso, verificou-se que o tratamento com 15-30 mg de Remeron diariamente durante um período de uma a duas semanas melhorou os distúrbios do sono em 73% e reduziu significativamente a fadiga em cerca de metade dos doentes.

Os efeitos adversos mais comuns associados ao tratamento relatado nos quatro ensaios foram boca seca, aumento do apetite, sonolência, sonolência, pressão arterial baixa, ganho de peso e inflamação da garganta e nariz.

Com base nesses resultados, os autores acreditam que o Remeron pode ser “uma opção efetiva para a fibromialgia devido à sua capacidade de melhorar a dor, a fadiga, a qualidade de vida e os sintomas do sono”.

"Uma diferença fundamental quando comparada a outras opções de tratamento é que a mirtazapina atinge muitos dos sintomas da fibromialgia com seu mecanismo de ação e dosagem simples uma vez ao dia", disseram eles.

Outro benefício potencial desta droga é o seu custo. Nos Estados Unidos, um suprimento de Remeron de um mês pode custar cerca de US $ 80, o que é cerca de três a seis vezes menor do que outros medicamentos disponíveis.

Mais estudos são necessários para fornecer evidências clínicas adicionais e definir ainda mais o papel do Remeron para pacientes com fibromialgia, disseram os autores.

Fonte: https://fibromyalgianewstoday.com/2018/06/05/review-study-reveals-benefits-remeron-fibromyalgia-patients-pain-sleep/?amp

** REMERON é comercializado no Brasil.

Vide bula em

http://www.bulas.med.br/p/bulas-de-medicamentos/bula/5053/remeron.htm

Postar um comentário